adblock ativo

Operação Teia desarticula quadrilha de traficantes

Publicado quinta-feira, 09 de outubro de 2008 às 23:23 h | Atualizado em 09/10/2008, 23:32 | Autor: Cristina Laura, da Sucursal Juazeiro
adblock ativo

Dezoito mandados de prisão e nove de busca e apreensão foram cumpridos na manhã desta quinta-feira, 9, pela Polícia Federal, nos Estados da Bahia, Pernambuco, Ceará e Mato Grosso do Sul, durante a Operação Teia, que desbaratou uma quadrilha de tráfico e homicídios.

O traficante que recebia a droga e fazia a distribuição, conhecido como Pastor, foi preso em Ponta Porã (MS); outro, em Fortaleza (CE); e os demais, nas cidades de Juazeiro (a 500 km de Salvador) e Petrolina (PE). Dos 16 nomes de traficantes que constavam nos mandados referentes às cidades de Juazeiro e Petrolina, seis já estavam presos. A PF não informou os nomes, nem quantos foram detidos em Juazeiro e Petrolina na ação.

O delegado titular da PF em Juazeiro, Alexandre Lucena, disse que Pastor recebia a cocaína da Bolívia e distribuía para os demais estados, onde traficantes armazenavam e usavam “mulas” – pessoas contratadas para fazer o transporte das drogas, levadas geralmente em carros particulares.

Em Juazeiro, as prisões aconteceram na Vila do Tomé e Itaparica, no distrito de Maniçoba. Em Petrolina, as detenções foram efetuadas nos bairros Cohab VI, São Jorge e Boa Vista. A Polícia Federal apreendeu ainda dois revólveres e documentos que comprovam o tráfico. “Durante um ano, tempo que durou a investigação desse caso, nós conseguimos apreender 25 kg de cocaína e crack e outros 80 kg de maconha pertencentes à quadrilha”, informou Alexandre Lucena.

A Operação Teia foi realizada com o trabalho de 65 policiais federais e começou às 4h da manhã. Os envolvidos foram levados para a delegacia da PF, ouvidos e depois encaminhados ao presídio de Petrolina, onde permanecem à disposição da Justiça. Além do tráfico, há indícios de que a quadrilha esteja envolvida em homicídios registrados nas cidades onde estavam, mas até o momento apenas uma morte, em Fortaleza, está comprovadamente relacionada ao bando.

MULHERES – Das pessoas presas em Juazeiro e Petrolina, duas são mulheres, consideradas hoje ‘cabeças’ do tráfico na região. São as mulheres que representam o cérebro das ações dos traficantes, e aos companheiros e demais homens cabe a tarefa de ‘executores’. No mês passado, a Polícia Civil prendeu a traficante Maria Quitéria Lopes Calheiros, 35, que mantinha ponto de venda no bairro Alto do Cruzeiro. Presa por homicídio e tráfico, confessou ser autora de dez homicídios e de participação em outras 20 mortes.

Em 2005, a Polícia Federal prendeu uma quadrilha de 20 pessoas acusadas de envolvimento com o tráfico em Juazeiro, e entre elas estava Alexandra Evangelista Medrado, de 24 anos, conhecida como Xanxan, que estudava direito na Paraíba e foi detida como companheira de Ronei Soares da Silva. Ela era apontada como chefe da quadrilha com grande articulação no tráfico local. Foi a julgamento e hoje cumpre pena de 12 anos no Conjunto Penal de Juazeiro.

adblock ativo

Publicações relacionadas