"Temos uma legislação conivente com crime organizado", dispara Werner | A TARDE
Atarde > Bahia

"Temos uma legislação conivente com crime organizado", dispara Werner

Titular da SSP mostrou insatisfação com as solturas de delituosos

Publicado terça-feira, 02 de abril de 2024 às 17:00 h | Autor: Silvânia Nascimento | Portal Massa!
Secretário da Segurança Pública quer mais rigor nas audiências de custódia
Secretário da Segurança Pública quer mais rigor nas audiências de custódia -

Um dia após o casal flagrado em um cruzeiro com 28kg de cocaína ser liberado durante audiência de custódia, o titular da Secretaria da Segurança Pública (SSP), Marcelo Werner, voltou a bater na tecla sobre a necessidade de revisão na Legislação Brasileira. Nesta terça-feira , 2, em entrevista exclusiva ao Portal MASSA!, o gestor reafirmou que confia e respeita o trabalho do Ministério Público e do Judiciário, no entanto, voltou a provocar a lei que, em muitos casos, permite a soltura de criminosos, mesmo tratando-se de casos sensíveis.

"A provocação que eu sempre faço e vocês sabem, é sobre legislação do nosso país que tem sido recorrente para gerar uma sensação de impunidade. E essa sensação de impunidade, lógico, acaba gerando um descontentamento. Mas a gente enquanto força de segurança vamos continuar realizando o nosso trabalho, em busca da legalidade, respeitando todos os preceitos constitucionais", disse o secretário.

O casal liberado na custódia - caso mais recente - foi preso no último sábado (30), por equipes da Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (Ficco), no momento em que a embarcação estava atracada no Porto de Ilhéus, no Sul da Bahia.

"Eu não tenho detalhes da decisão, mas a gente tem que pensar que, na realidade a gente está com uma legislação conivente com os principais delitos da criminalidade organizada, em especial Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs), contra patrimônio, ou até mesmo o tráfico de drogas", destacou Werner.

Segundo informações da Polícia Federal, o casal havia embarcado no navio no o Rio de Janeiro e tinha como destino a cidade de Barcelona, na Espanha. "A gente tem que ter um acompanhamento específico e uma ação firme enquanto Estado para poder inibir. Mas independentemente, eu posso garantir que as forças de seguranças continuam integradas, continuam trabalhando com inteligência, continuam fazendo a sua atividade, que é a atividade diária de enfrentamento à criminalidade organizada e a prisão de pessoas que cometem delitos, como esse casal que estava na prática do tráfico de drogas", pontuou o gestor.

Publicações relacionadas