58% dos brasileiros compram produtos indicados por influenciadores | A TARDE
Atarde > Brasil

58% dos brasileiros compram produtos indicados por influenciadores

A análise aponta que 86% dos entrevistados têm o hábito de fazer compras nesse período

Publicado quarta-feira, 22 de novembro de 2023 às 11:43 h | Autor: Da Redação
A análise aponta que 86% dos entrevistados têm o hábito de fazer compras nesse período
A análise aponta que 86% dos entrevistados têm o hábito de fazer compras nesse período -

O levantamento “A Black além da Black”, desenvolvido pela empresa de marketing Spark em parceria com a plataforma de pesquisas MindMiners, indica que 36% dos consumidores brasileiros fizeram alguma compra por recomendação de influenciadores na última edição da Black Friday. No decorrer do ano, 58% dos seguidores disseram ter comprado algum produto ou serviço indicado por algum especialista ou famoso da internet, o que prova que o marketing de influência tem papel fundamental no processo de decisão de compra.

Em relação ao nível de confiança transmitido pelos profissionais nas plataformas digitais, 26% dos entrevistados classificaram como “muito alto”, 38% como “alto” e 32% responderam como “médio”. Portanto, concluiu-se que 64% das pessoas que seguem influenciadores depositam um alto nível de confiança neles.

A análise aponta que 86% dos entrevistados têm o hábito de fazer compras nesse período – desse total, 36% compram sempre ou frequentemente. Entre as categorias de produtos, os mais adquiridos são equipamentos eletrônicos (58%), vestuário e acessórios (56%), eletrodomésticos (43%), beleza e cuidados pessoais (40%), livros (31%), casa e decoração (31%), alimentos e bebidas (28%), artigos esportivos (22%), entre outros.

O estudo traz ainda o mapa da influência, que registra informações como o alcance dos influencers e o nível de confiança dos seguidores. O Instagram lidera o ranking de redes sociais que as pessoas escolhem para acompanhar os influenciadores, com 85%. Atrás dele, aparecem YouTube (50%), TikTok (33%), Facebook (25%) e X – antigo Twitter – (19%).

Publicações relacionadas