Acusado de matar tesoureiro do PT é transferido de hospital

Agente penal deixou Hospital Municipal de Foz do Iguaçu para ir para um hospital da rede privada

Publicado segunda-feira, 11 de julho de 2022 às 21:49 h | Atualizado em 11/07/2022, 21:49 | Autor: Da Redação
O Ministério Público do Paraná (MP-PR), pediu, na manhã desta segunda, 11, a prisão preventiva de Jorge Guaranho
O Ministério Público do Paraná (MP-PR), pediu, na manhã desta segunda, 11, a prisão preventiva de Jorge Guaranho -

Jorge Guaranho, o agente penal federal penal que matou tesoureiro do PT em Foz do Iguaçu, foi transferido de hospital na noite desta segunda-feira, 11. Ele foi levado do Hospital Municipal de Foz para o Hospital Ministro Costa Cavalcante. A informação foi dada pela rede de TV local RPC, confirmada com a própria unidade hospitalar para onde o policial foi. O motivo da transferência, contudo, não foi informado.

O estado de saúde de Guaranho é grave, porém estável, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná.

O Ministério Público do Paraná (MP-PR), pediu, na manhã desta segunda, 11, a prisão preventiva do policial, que é apoiador de Bolsonaro e suspeito de assassinar tesoureiro do PT, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná.

O crime aconteceu na madrugada do último domingo, 10. O homem identificado como Marcelo Aloizio de Arruda, de 50 anos, foi morto a tiros na própria festa de aniversário policial penal federal Jorge Guaranho. Câmeras de segurança da área externa registraram o momento em que Guaranho discute com o tesoureiro do PT Arruda, antes de matá-lo a tiros.

De acordo com o promotor de Justiça Tiago Lisboa Mendonça, "vários pontos precisam ser esclarecidos. Qual razão ele esteve no local? Foi apurado de que ele era membro de uma associação da região. Em razão de que ele poderia estar ai fazendo rondas externas que eram feitas, mas é necessário apurar se dentro dessa ronda, ia até aquele ponto específico", disse.

Marcelo Aloizio de Arruda foi enterrado na tarde desta segunda sob forte comoção. Pouco antes, mais de 200 pessoas acompanharam o cortejo em homenagem ao agente pelas principais avenidas da cidade paranaense. Familiares e amigos bateram palmas durante o enterro.

Marcelo era tesoureiro do PT, partido ao qual era filiado há mais de dez anos e pelo qual concorreu a vereador e a vice-prefeito pela sigla em eleições municipais recentes. Entre outros integrantes do partido, a presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), compareceu ao velório no domingo.

Publicações relacionadas