Adolescente de 13 anos mata mãe e irmão de 7 anos na Paraíba

Pai do jovem também foi baleado e está internado em estado grave

Publicado domingo, 20 de março de 2022 às 19:17 h | Atualizado em 20/03/2022, 19:17 | Autor: Da Redação
O adolescente utilizou uma arma de fogo do pai, que trabalhava como policial militar
O adolescente utilizou uma arma de fogo do pai, que trabalhava como policial militar -

Um adolescente de 13 anos matou a própria mãe e o irmão mais novo, de 7 anos, a tiros dentro de casa no município de Patos (PB), no sertão paraibano, a 308 quilômetros de João Pessoa, na tarde do sábado, 19. O pai do jovem também foi baleado e está internado em estado grave. 

O adolescente utilizou uma arma de fogo guardada na residência pelo pai, que trabalhava como policial militar e hoje está afastado. Em entrevista à "TV Sol", o delegado responsável pelo caso contou que o crime foi motivado por uma discussão sobre as notas baixas do jovem na escola. Em depoimento, ele teria dito que queria jogar online e se sentiu "pressionado" por cobranças tanto para estudar quanto para cumprir com suas tarefas domésticas.

“Estava tirando notas baixas porque em casa só queria saber de estar jogando esse jogo. O menino, quando era cobrado para arrumar uma cama ou então enxugar uma louça, disse que se sentia pressionado. E por esse motivo hoje foi a gota d'água. E ele se armou com a arma do pai e fez o que fez, infelizmente”, explicou o policial.

Segundo O Globo, o delegado informou que o caso foi registrado como um procedimento especial envolvendo menor de idade num contexto de violência doméstica, já que as vítimas fatais foram a mãe e o irmão, e o pai dele ficou gravemente ferido. O jovem ficou sozinho numa sala reservada para menores de idade na carceragem da Polícia Civil da Paraíba, aguardando a audiência de apresentação e a decisão judicial. Após a audiência judicial, ele deve ser encaminhado a um Centro de Internação para Adolescentes.

Entenda o caso

Conforme o delegado, o pai do estudante havia saído para comprar um remédio para a esposa, que estava com dor de dente e descansando. Antes disso, porém, pegou o celular do filho por causa do mal desempenho escolar. O adolescente, então, pegou a arma de fogo guardada em um armário fechado no escritório do pai, encostou na cabeça da mãe, e efetuou um disparo contra ela.

O barulho do tiro assustou o irmão mais novo, que começou a brigar com o adolescente quando percebeu o que tinha acontecido. Nesse momento, o jovem perseguiu o menino para atirar nele também. Durante essa situação, o pai chegou à casa e pediu que o filho soltasse a arma.

O jovem acabou atirando contra o pai, que caiu na sala. O irmão mais novo do adolescente, ao ver o pai caído, tentou socorrê-lo e o abraçou. Nesse momento, o autor do crime atirou na criança pelas costas. 

Segundo a polícia, após os disparos, o adolescente guardou a arma onde estava, chamou o Samu e ainda tentou enganar os militares, afirmando que havia acontecido um assalto e que ladrões tinham causado as mortes.

“O adolescente de 13 anos alegou que a motivação para ele ter cometido o que ele cometeu foi porque os pais estavam privando ele de jogar um jogo. O jogo que ele estava jogando era "Roblox". A motivação, que ele alegou ter sido a gota d'água hoje, para que ele pegasse a arma do pai, que o pai era policial militar, e resolvesse atirar contra a mãe dele, atirar contra o pai e depois contra o irmão mais novo, foi justamente por isso. Ele alegou que era pressionado para tirar boas notas na escola”, disse o delegado. “Eu percebi que ele, quando soube que o pai ainda estava vivo, se assustou. Acho que ele estava mais satisfeito se todos os três tivessem falecido”, completou.

O adolescente disse que o pai já havia mostrado a arma para ele, por curiosidade, mas negou que a tenha usado em outro momento. O PM aposentado foi baleado no tórax.

Publicações relacionadas