Aneel quer ação para deslocar o horário de consumo das indústrias

Publicado terça-feira, 15 de junho de 2021 às 11:28 h | Atualizado em 15/06/2021, 11:39 | Autor: Da Redação

O diretor-geral da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone da Nóbrega, disse que a agência pretende fazer uma parceria com o Governo Federal para uma ação emergencial com o objetivo de deslocar o consumo de energia das indústrias para fora do “horário de pico“.

Pepitone não explicou como vai funcionar a medida, mas disse ser uma ação importante para “deslocar o consumo“. O diretor participou do debate sobre a crise hídrica na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 15.

O objetivo é possibilitar que o ONS (Operados Nacional do Sistema Elétrico) tenha mais recursos para operar o SIN (Sistema Interligado Nacional) durante a crise hídrica.

Pepitone afirmou que o despacho da energia termelétrica durante a crise energética pode gerar um aumento de 5% na tarifa de energia para o mercado livre em 2022. O impacto do maior uso das termelétricas, de acordo com ele vai ser de R$ 8,9 bilhões.

O presidente da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Rodolfo Henrique de Saboia, afirmou no evento que a agência acompanhará a parada prevista de 1 mês para a manutenção da Plataforma de Mexilhão, na Bacia de Santos, responsável por escoar o gás natural do pré-sal para o consumo das termelétricas.

Para compensar o corte de fornecimento do gás natural, a ANP autorizou o fornecimento de gás natural liquefeito importado e fornecido por navios, além de permitir o aumento da capacidade do Terminal de Regaseificação da Bacia de Guanabara de 20 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia para para 30 milhões de metros cúbicos.

Publicações relacionadas