Justiça conclui que Priscila atirou em Bilynskyj e depois se matou

O inquérito foi arquivado em 15 de junho do ano passado

Publicado terça-feira, 12 de julho de 2022 às 20:50 h | Atualizado em 12/07/2022, 20:50 | Autor: Da Redação
Foi apontada pelas investigações da Polícia Civil, que na data do crime, o casal teve uma discussão e então, a noiva do delegado tentou assassiná-lo motivada por ciúmes
Foi apontada pelas investigações da Polícia Civil, que na data do crime, o casal teve uma discussão e então, a noiva do delegado tentou assassiná-lo motivada por ciúmes -

A Justiça de São Paulo concluiu que Priscila Delgado Barrios atirou no delegado e influenciador digital, Paulo Francisco Muniz Bilynskyj e, em seguida, se matou no apartamento dele em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo.

Na última sexta-feira, 8, de acordo com informação do G1, o inquérito foi arquivado em 15 de junho do ano passado. O processo a respeito do caso ocorreu em 20 de maio de 2020 e estava sob sigilo judicial, que foi parcialmente suspenso há alguns meses.

As investigações da Polícia Civil apontaram que, na data do crime, o casal teve uma discussão e a noiva do delegado tentou assassiná-lo por motivos de ciúmes. Após ter disparado os tiros contra Paulo, a modelo de 27 anos cometeu o suicídio.

Arquivamento

Investigado e concluído como tentativa de assassinato e suicídio pelo 1º Distrito Policial (DP) de São Bernardo do Campo, o Ministério Público (MP) solicitou o arquivamento do processo.

O delegado chegou a ser atingindo por seis tiros e sobreviveu. Porém, ele teve que passar por cirurgias e reabilitação. Há pouco tempo, Bilynkyj, de 35 anos, precisou amputar o dedo médio da mão direita, que foi comprometido pelos tiros e perdeu os movimentos.

Processo administrativo

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo confirmou que o inquérito policial do caso foi concluído sem indiciamentos. No entanto, ainda está em andamento um processo administrativo para apurar se o delegado cometeu alguma irregularidade funcional.

“O policial citado segue respondendo a processo administrativo instaurado pela Corregedoria da Polícia Civil, o qual tramita sob sigilo”, disse o órgão.

Delegado

Em nota enviada ao G1, o delegado evidenciou que todas as investigações foram feitas antes de o caso ser arquivado pelo Ministério Público.

“O crime praticado contra mim foi apurado por um extenso Inquérito Policial, foram realizadas perícias que em 5 anos como delegado atuante no Departamento de Homicídios nunca vi serem realizadas. Em junho de 2021, o Inquérito concluiu o óbvio, que eu tinha sido vítima de uma tentativa de homicídio e que a autora suicidou-se”, disse.

Defesa da modelo

A defesa da família da modelo pediu para a Justiça que o celular dela fosse desbloqueado por uma empresa particular e levado para a perícia. Porém, ainda não há um posicionamento sobre essa solicitação.

O advogado José Roberto Rodrigues da Rosa defende que é necessário apurar se Paulo Bilynskyj induziu, de alguma maneira, Priscila a cometer o suicídio.

Publicações relacionadas