Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > BRASIL
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
03/06/2024 às 21:57 - há XX semanas | Autor: Da Redação

CASO NOAH

Médico julgado por morte de menino diz que se sente "injustiçado"

Luciano Barboza le viajou para assistir a um jogo da Seleção Brasileira quando deveria estar de plantão

Imagem ilustrativa da imagem Médico julgado por morte de menino diz que se sente "injustiçado"
-

O médico Luciano Barboza Sampaio, acusado de homicídio qualificado pela morte do menino Noah Palermo, em São Carlos (SP), afirmou durante depoimento no Tribunal do Júri que se sente injustiçado no processo e que 'nada ia mudar' se tivesse voltado para a Santa Casa. O garoto morreu após ter complicações no dia seguinte a uma operação para retirada do apêndice, em 2014.

A acusação sustenta que ele assumiu o risco da morte da criança e deixou de prestar atendimento, após viajar para ver um jogo da seleção brasileira.

O pai de Noah, Marcos Palermo, disse em depoimento que o médico trocou o filho dele por um jogo de futebol. Leia a reportagem.

Depoimento de médico

Luciano foi o último a prestar depoimento e falou sobre como foi passar os anos sendo "atacado, humilhado e xingado".

"Fui para o jogo sim. Mas se tivesse algo diferente, que apontasse gravidade, não teria ido. A viagem foi um fator menos preponderante nesse caso. Nada ia mudar [se tivesse voltado para o hospital]. Se eu estivesse na cidade e fazendo uma cirurgia, teria que acionar o outro colega [pra ir ver o Noah]", afirmou.

Luciano também falou que espera que os pais de Noah consigam encontrar a paz que precisam. "Em momento algum senti raiva ou rancor deles. Eu também sou pai", relatou.

Questionado pelo promotor se ele se sente injustiçado pelo processo, o médico afirmou que "sim".

Noah estava com fortes dores abdominais. Ao ser consultado por telefone, o médico disse que as dores eram normais e receitou remédio para gases. Esse era o dia 6 de junho de 2014, quando Luciano deveria estar de plantão à distância. A defesa do réu alega que o Conselho de Medicina não estabelece a distância para o plantão remoto.

Assuntos relacionados

conselho regional de medicina homicídio qualificado julgamento de médico Júri popular morte de criança. negligência médica

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

conselho regional de medicina homicídio qualificado julgamento de médico Júri popular morte de criança. negligência médica

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

conselho regional de medicina homicídio qualificado julgamento de médico Júri popular morte de criança. negligência médica

Publicações Relacionadas

A tarde play
Play

Pastor diz que autismo é "diabo visitando ventre das desprotegidas"

Play

Saiba quem é o homem que destruiu carros com retroescavadeira

Play

VÍDEO: advogado dá voz de prisão para juíza durante audiência

Play

Vídeo: Homem tenta fugir e fica preso entre grades de cela

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA