Mourão diz que 500 mil mortes é "retrato da desigualdade socioeconômica”

Publicado segunda-feira, 21 de junho de 2021 às 14:38 h | Atualizado em 21/06/2021, 15:19 | Autor: Da Redação

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira, 21, que as mortes causadas pela covid-19 são um “retrato da desigualdade socioeconômica” do país. Já o presidente Jair Bolsonaro ainda não se manifestou sobre as 500 mil mortes causadas pela Covid-19 e apenas três ministros se pronunciaram sobre o assunto.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, prestou solidariedade às famílias que perderam entes e afirmou trabalhar “incansavelmente” para acelerar o ritmo de vacinação no país.

Mourão negou que tenha ocorrido um atraso no início da imunização no Brasil e afirmou que, se for mantido o ritmo de vacinação atual, em dois ou três meses o país deve estar em uma “situação melhor“.

Com pouco mais de 11% da população imunizada com as duas doses da vacina, o Brasil, no entanto, avança em ritmo mais lento na imunização.

O vice-presidente comentou ainda sobre as manifestações contra o governo ocorridas em todos os estados e no Distrito Federal no último sábado, 19. “Existe gente que não gosta do nosso governo, que é contra, a oposição, isso faz parte de qualquer sistema democrático. Agora, é uma aglomeração, então é um risco que essas pessoas se submeteram”, disse.

Publicações relacionadas