Parada LGBT+ veste São Paulo de verde e amarelo | A TARDE
Atarde > Brasil

Parada LGBT+ veste São Paulo de verde e amarelo

Quase 20 milhões de brasileiros (10% da população) se identificam como LGBTQIAPN+

Publicado domingo, 02 de junho de 2024 às 20:36 h | Autor: AFP
A primeira marcha do Orgulho no país aconteceu em 1997 e reuniu cerca de 2.000 pessoas
A primeira marcha do Orgulho no país aconteceu em 1997 e reuniu cerca de 2.000 pessoas -

Centenas de milhares de pessoas lotaram o centro de São Paulo neste domingo, 2, para comemorar a marcha do orgulho LGBT+, que este ano pediu o resgate das cores verde e amarela da bandeira brasileira, tomadas como símbolo pela direita política. 

Uma bandeira gigante do arco-íris cobriu a fachada do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na movimentada Avenida Paulista, onde reinava uma atmosfera festiva com música e mensagens em favor do respeito a "todas as formas de amor, todas as formas de ser".

Sob o slogan "Basta de Negligência e Retrocesso no Legislativo", os organizadores da tradicional manifestação conclamaram a população a votar em candidatos alinhados com os direitos da comunidade nas eleições municipais a serem realizadas em outubro. 

Eles também pediram vigilância contra o avanço de iniciativas conservadoras. 

A marcha acontece poucos dias depois de o Congresso proibir, com votos da extrema direita e da bancada evangélica, a promoção ou o financiamento com dinheiro público de ações contra "o conceito de família tradicional", o aborto ou as cirurgias de mudança de sexo para menores. 

A disposição, incluída em uma lei orçamentária, havia sido vetada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"É importante a gente estar aqui com todo mundo feliz, participar. Mas tem um sentido maior disso que é lutar pelo direito, pela visibilidade, contra a violência e dizer que a gente existe e somos cidadãos com todos os direitos e todos os deveres," disse Eugênio dos Santos, vestido com a camisa da seleção brasileira.

Quase 20 milhões de brasileiros (10% da população) se identificam como LGBTQIAPN+, de acordo com a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexuais. 

A primeira marcha do Orgulho no país aconteceu em 1997 e reuniu cerca de 2.000 pessoas. Atualmente, é considerada uma das maiores do mundo, com uma expectativa de público de três milhões de pessoas.

A parada "é crucial para o país entender que esta luta é de toda a sociedade", disse à AFP a drag queen Tchaka, uma das musas da celebração, com um vestido de tule verde e amarelo.

A convocação para usar essas cores foi uma proclamação contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (2019-2022) e seus apoiadores, que as usaram como símbolo durante o mandato do ex-presidente. 

A ideia surgiu após o recente megashow no Rio de Janeiro da estrela pop Madonna, que cantou uma música com a drag queen brasileira Pabllo Vittar, ambas vestindo a camisa da seleção. 

A homofobia é considerada crime no Brasil desde meados de 2019, mas ataques a homossexuais e transgêneros são registrados diariamente. 

De acordo com organizações que defendem os direitos da comunidade, 145 pessoas transgêneros foram assassinadas em 2023 e outras dez cometeram suicídio.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS