Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > BRASIL
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
06/06/2024 às 13:58 - há XX semanas | Autor: Gabriel Moura

VIRAL

Pastor de 'igreja de rico' diz que memes são 'preconceito religioso'

Reino Church viralizou nas redes sociais

Decoração moderna e minimalista, soda italiana oferecida gratuitamente na entrada e termos bilingues como 'we are the Reino'. Uma igreja evangélica de Balneário Camboriú (SC) viralizou recentemente nas redes sociais, virando meme por uma estética criticada pelos internautas.

A Reino Church foi citada como igreja 'de rico' ou 'de Supla' por internautas, que criticaram uma suposta "startupização" da fé. "Era só ter ficado de boa, Lutero", clamou um internauta, citando o idealizador do protestantismo.

Em entrevista ao Uol, Eduardo Reis, fundador e pastor da Reino, rebateu os jovens do X, antigo Twitter, afirmando que a igreja não é apenas minimalismo e design moderno, mas uma "cultura de excelência, para a glória de Deus", usando da melhor maneira o que se tem à disposição.

"Café e soda italiana se tornaram alvos para crítica de pessoas que não conhecem, mas elas não mostraram o quadro completo. As cadeiras são confortáveis. O ar condicionado é bom. Os banheiros são limpos, sempre tem papel, tem o melhor sabão que podemos dar. Tratar as pessoas bem e usar os recursos da Igreja para isso, em uma cultura de excelência, só é matéria de deboche quando o que impera coletivamente na bolha do escárnio é uma predisposição para o preconceito religioso", disse o pastor.

"Se não estivéssemos crescendo, ninguém falaria nada. Até acho que dizer que a gente é cringe, tudo bem. Mas debochar de nossa expressão de fé como meio de engajamento só revela como quem o faz é oportunista e se aproveita de um mundo cada vez mais doente, que precisa rir do que acha estranho. Para mim, isso é tão violento quanto acusar um terreiro de candomblé de comercializar a fé porque quem os visita são artistas. Ou de dizer que a parada LGBTQIA+ é apenas um evento de entretenimento, quando ela é mais do que um evento com música e festa, é a defesa do legítimo direito de existir de um grupo que tem uma identidade", completou ao Uol.

Já sobre o discurso de que o local era uma "igreja de brancos", o religioso fez questão de citar que o local é plural. O próprio Eduardo é negro

"Temos a diversidade da cidade representada na nossa membresia. Estamos no sul do país, localidade de maioria branca. Mas eu, o pastor sênior, sou negro. Quando nos acusam, dizendo que somos uma igreja de brancos, isso soa muito mal entre nós, porque grande parte dos nossos pastores é negra, bem como grande parte de nossos líderes. Além disso, prezamos pela paridade de gênero, pois as mulheres não são subalternas, nem podem ser invisibilizadas ou inseridas em uma condição de servilismo", declarou.

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Cidadão Repórter

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Publicações Relacionadas

A tarde play
Play

Pastor diz que autismo é "diabo visitando ventre das desprotegidas"

Play

Saiba quem é o homem que destruiu carros com retroescavadeira

Play

VÍDEO: advogado dá voz de prisão para juíza durante audiência

Play

Vídeo: Homem tenta fugir e fica preso entre grades de cela

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA