Polícia investiga perfis que fazem apologia a crimes cometidos por Lázaro Barbosa

Publicado sábado, 19 de junho de 2021 às 10:20 h | Atualizado em 19/06/2021, 12:36 | Autor: Da Redação

A Polícia Civil de Goiás investiga perfis que foram criados nas redes sociais para fazer apologia aos crimes cometidos por Lázaro Barbosa, foragido e procurado por equipes policiais há 11 dias por crimes cometidos no Distrito Federal e Goiás. Ele é suspeito de matar uma família, em Ceilândia.

>> Lázaro Barbosa fez cursos de empatia e sexualidade durante tempo na prisão

De acordo com a delegada Sabrina Leles, titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (Dercc), foi aberta uma ocorrência com base nas postagens feitas em uma rede social. Fazer apologia pública a uma fato criminoso é de três a seis meses de detenção, ou multa.

“A partir daquele momento que aquele perfil faz apologia, que quer exaltar, que quer ressaltar esses crimes cometidos por ele, isso se torna um crime sim e está sendo apurado”, afirmou ao G1.

A caçada

Lázaro Barbosa Sousa, suspeito de ter assassinado uma família em uma chácara em Ceilândia, no Distrito Federal, baleado fazendeiros, ter feito uma família de refém mobiliza equipes das polícias civil e militar da capital federal e de Goiás, além da Polícia Federal em uma caçada que já dura 10 dias. Nas redes socias, o caso ganhou fama como "serial killer em Brasília", mas a polícia afirma que não trabalha com essa nomenclatura.

De acordo com informações da Polícia Civil do Distrito Federal, na madrugada da quarta-feira, 9, Lázaro teria assassinado uma família em Ceilândia. O empresário Cláudio Vidal de Oliveira, 48 anos, e os filhos dele, Carlos Eduardo Marques Vidal, 15, e Gustavo Marques Vidal, 21, foram encontrados mortos em uma chácara. A esposa de Vidal, Cleonice Marques, 43, foi sequestrada, e seu corpo foi encontrado na tarde de sábado em um córrego próximo.

O suspeito passou os dias seguintes cometendo crimes. Invadiu fazendas, baleou outras pessoas, roubou um carro, armas e munições. Já em Goiás, na última terça-feira, 15, Lázaro fez refém um casal e a filha de 16 anos. A família foi resgatada, mas durante as buscas dois policiais foram baleados de raspão e conduzidos para hospitais goianos com ferimentos leves.

A operação que conta com um efetivo de mais de 200 policiais segue em perseguição a Lázaro Barbosa Sousa. Ele tem 32 anos e nasceu em Barra do Mendes, na Bahia. Seus primeiros assassinatos ocorreram quando ele ainda tinha 19 anos de idade. Sua ficha criminal inclui ainda estupros, roubo, latrocínio e porte ilegal de arma de fogo.

Publicações relacionadas