Presa por tráfico internacional, Nelma Kodama desembarca em Salvador | A TARDE
Atarde > Brasil

Presa por tráfico internacional, Nelma Kodama desembarca em Salvador

Ex-mulher de Alberto Youssef foi presa em Portugal e seguirá para o Complexo Penitenciário da Mata Escura

Publicado sexta-feira, 21 de outubro de 2022 às 09:27 h | Atualizado em 21/10/2022, 09:53 | Autor: Da Redação
Condenada na Operação Lava Jato, ela foi agraciada com o indulto Natalino pelo ex-presidente Michel Temer
Condenada na Operação Lava Jato, ela foi agraciada com o indulto Natalino pelo ex-presidente Michel Temer -

A doleira Nelma Kodama, presa em Portugal durante uma operação da polícia brasileira contra o tráfico internacional de drogas, desembarcou no Aeroporto Internacional de Salvador na noite desta quinta-feira, 20.

Segundo a defesa de Nelma, ela desembarcou na capital baiana por decisão de um juiz federal e será encaminhada para o Complexo Penitenciário da Mata Escura. Suspeita de atuar como doleira para o narcotráfico, ela chegou a ser condenada na Operação Lava Jato.

No final de junho, o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) autorizou que Kodama fosse extraditada para o Brasil. Ela entrou com um processo contra a decisão, mas renunciou com a intenção de colaborar com a Justiça brasileira.

Nelma Kodama é ex-mulher do também doleiro Alberto Youssef e foi condenada em 2014 a 18 anos de prisão por corrupção, evasão de divisas e organização criminosa. Sua prisão aconteceu no Aeroporto Internacional de Guarulhos quando tentava fugir para Itália com 200 mil euros escondidos na calcinha. 

Em 2019, graças ao indulto natalino editado pelo então presidente Michel Temer, a Justiça autorizou que a doleira fosse solta. Ela voltou à mídia quando se tornou alvo de uma investigação por receptação de joias roubadas. Na época, ela havia aparecido em uma foto utilizando um par de brincos, um anel e um pingente de rubis, avaliados em R$ 150 mil. 

As investigações começaram em 2021, quando meia tonelada de cocaína foi encontrada no táxi aéreo de uma empresa portuguesa no Aeroporto de Salvador. Com a apreensão, a Polícia Federal conseguiu identificar a estrutura da organização que atuava no Brasil e em Portugal. 

Os investigados são fornecedores da cocaína, mecânicos de aviação - que abriam as aeronaves para guardar as drogas -, transportadoras dos voos e doleiros, responsáveis pela movimentação financeira do grupo criminoso.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS