Primeiro alerta de temporais no RS foi emitido em 31 de agosto | A TARDE
Atarde > Brasil

Primeiro alerta de temporais no RS foi emitido em 31 de agosto

Ao todo foram emitidos quatro alertas para o ciclone que causou a morte de 43 pessoas

Publicado domingo, 10 de setembro de 2023 às 14:47 h | Autor: Da Redação
Ao todo foram emitidos quatro alertas para o ciclone que causou a morte de 43 pessoas
Ao todo foram emitidos quatro alertas para o ciclone que causou a morte de 43 pessoas -

O primeiro alerta de risco em potencial dos temporais que atingiram o estado do Rio Grande do Sul foi emitido no dia 31 de agosto. As informações são do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e divulgadas pelo G1.

Ao todo, foram emitidos quatro alertas para o ciclone extratropical que causou enchentes, destruição e 43 mortes em 85 cidades. O primeiro foi durante uma reunião entre o Cemaden, a Defesa Civil, o Ministério do Desenvolvimento Regional e representantes do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

"Tomamos conhecimento de uma situação de risco dia 30 de agosto para a Região Sul, em especial para todo o Rio Grande do Sul e Sul de Santa Catarina. Para o dia 31, foi marcada uma reunião com a Defesa Civil com os três estados da região (RS, SC e PR) mais o Mato Grosso do Sul. Foi durante a reunião que passamos a previsão", conta o coordenador-geral de operação e modelagem do Cemaden, Marcelo Seluchi.

Em 31 de agosto, o próprio Inmet começou a trabalhar com o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad). A previsão indicava 200 milímetros de chuva entre os dias 1º e 4 de setembro, com a maior quantidade para o dia 4, afetando principalmente as regiões Norte, Central e dos Vales.  O segundo foi no dia 1º, o terceiro aviso foi no dia 3, quando o Inmet emitiu um alerta vermelho – de grande perigo, o maior da escala.

O quarto aviso ocorreu no dia 4, quando a Companhia Energética Rio das Antas (Ceran) comunicou que "devido às fortes chuvas ocorridas nos últimos dias, a vazão do Rio das Antas ultrapassou os níveis máximos históricos desde a construção".

Publicações relacionadas