Vídeo: Filho de oito anos reencontra a mãe após passar 16 dias em coma | A TARDE
Atarde > Brasil

Vídeo: Filho de oito anos reencontra a mãe após passar 16 dias em coma

Gui tem uma doença rara que foi detectada desde o nascimento e faz com que tenha a pele muito sensível

Publicado sexta-feira, 23 de junho de 2023 às 11:10 h | Atualizado em 23/06/2023, 11:15 | Autor: Da Redação
“Guilherme, embora muito frágil, é uma criança muito forte", declara a mãe
“Guilherme, embora muito frágil, é uma criança muito forte", declara a mãe -

Após passar 16 dias em coma, o pequeno Guilherme acorda procurando a mãe. Em vídeo emocionante, publicado na quarta-feira, 22, Tayana Gandra corre para abraçar o filho de oito anos. 

“Foram 16 dias sem sair de perto de você, e no único dia que mamãe vai dormir em casa você resolve acordar do seu soninho reparador [...] Receber a ligação de vídeo do papai com você chamando por mim, exigindo que eu fosse correndo. Ah, meu filho, como mamãe voou até aqui pra chegar logo e te abraçar! Você é nosso milagre mais lindo, obrigada por ser tão nosso, te amamos ao infinito e além”, escreveu na legenda.

O garoto de 8 anos possui uma doença rara chamada epidermólise bolhosa distrófica, que foi detectada desde o seu nascimento e faz com que tenha a pele muito sensível. Na falta do colágeno 7, a pele do menino é sensível a qualquer atrito, passada de mão mais brusca ou  até o ato de coçar.

Em vídeo do TikTok, a mãe, Tayane Gandra, comenta o caso: “Guilherme, embora muito frágil, é uma criança muito forte. Ele tem, já, o discernimento do que ele pode e não pode fazer, dos cuidados que ele tem que ter com ele mesmo. Ele não pode correr, porque sabe que se cair o prejuízo vai ser bem grande, ele não vai simplesmente ralar, vai tirar a pele do local onde ele tiver o atrito. Então ele tem esses cuidados, o que já me ajuda um pouco.”

Sobre a interação social do menino, ela explica que "ele não tem vergonha, vai pra escola e tem um relacionamento muito bom com os amiguinhos dele. Os próprios amiguinhos dele também o protegem, isso é bem legal da parte deles. Ele foi bem inserido no meio escolar, a escola ajudou muito nisso. E, na vida acadêmica, ele tem uma vida bem normal.”

“É uma luta diária”, ressalta Tayana, “mas ele é muito forte. A força dele me dá forças para cuidar dele. Ele é uma criança abençoada com muita fé e tem sempre esperança de dias melhores. Embora bastante lesionado, ele sempre crê que amanhã pode ser melhor.”

Nesta quinta-feira, 22, o menino agradeceu pelas orações. “Bom dia, pessoal. Eu acordei aqui agora. Muito obrigado por orarem por mim, que Deus os abençoe”, disse.

Vídeo:

 

  

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS