adblock ativo

Santoro e Huston diferenciam novo Ben Hur do filme original

Publicado terça-feira, 02 de agosto de 2016 às 19:08 h | Atualizado em 02/08/2016, 19:08 | Autor: Chico Castro Jr.
Ben Hur
Ben Hur -
adblock ativo

Na manhã seguinte após uma concorrida noite de première com direito a tapete vermelho em um multiplex paulista, os atores Rodrigo Santoro e Jack Huston receberam a imprensa em um hotel da capital para uma rodada de entrevistas sobre seu novo filme, Ben-Hur.

Dirigido por Timur Bekmambetov, um russo especialista em filmes de ação como Procurado e Abraham Lincoln Caçador de Vampiros, o novo Ben-Hur é vendido pelos atores não como um remake do clássico vencedor de 11 Oscars dirigido por William Wyler em 1959, mas como um novo filme, baseado no livro Ben-Hur escrito por Lew Wallace e publicado em 1880.

Rodrigo, que faz o papel de Jesus Cristo, no filme, definiu a experiência como "transformadora". "Jesus é um personagem como nenhum outro, então, depois de buscar muitas referências em livros, filmes e imagens, percebi que o caminho era outro", disse.

"Então, vi que quanto menos racional eu fosse, melhor, seria um caminho muito mais interessante. Procurei não ter fórmula", afirmou.

Yoga

Praticante de yoga há muitos anos, ele conta que a prática oriental foi fundamental no processo de interiorização do personagem no sentido de investir mais no olhar e menos no gestual.

"Eu saí da palavra.  A gente cresce escutando a história do menino Jesus, eu tinha uma avó que era católica e outra espírita, então eu tinha minha própria ideia íntima do personagem. Todo mundo tem, mesmo quem não é cristão", afirma.

"E não podemos esquecer que ele era um homem, um carpinteiro. Mas isso não é importante. A essência do homem é o coração, independente dele ser louro, ruivo ou moreno", acrescentou o ator.

Com direito a cena de crucificação, Rodrigo conta que a gravação foi muito difícil e chegou a chorar ao relembrá-la na coletiva. "Foi sem dúvida uma das cenas mais difíceis da minha vida. Nevou (em Matera, Itália, onde o filme foi rodado) na noite anterior. Estava muito, muito frio. Como vou fazer isso? Era uma cena no topo de uma montanha, em um frio descomunal".

"Aí prepararam um sistema de calefação, nos colocaram na cruz (Jesus e os dois ladrões) e começaram a lançar ar quente na nossa direção. Aí só pedi que fizéssemos de uma vez só. Foi um longo take único, sem repetição. Me crucifiquem, mas uma vez só", acrescentou, rindo.

Nobre estirpe

Sobrinho de Anjelica Huston e neto do lendário diretor John Huston, Jack Huston tem o cinema e a atuação no sangue. Fã do Ben-Hur original, ele conta que não esperava ganhar esse papel algum dia, mas que tinha ambição: "Sempre esperei fazer um filme assim. Tinha muita familiaridade com o original, passava na TV todo ano na Páscoa". "Mas esse não é Ben-Hur, o remake. É um filme baseado em um grande livro", diz.

Ambientado em meio à ocupação romana de Jerusalém enquanto Jesus Cristo estava se formando, Ben-Hur tem um subtexto político evidente, ao justapor as diferenças dos habitantes da cidade, entre judeus e palestinos, aos invasores romanos.

"Acho também que é um momento brilhante para contar essa história. Há muito ódio, muita raiva, muito do que está acontecendo politicamente ecoa no filme", observa Jack Huston.

Corridas de bigas

Assim como no clássico de 1959, o filme tem seu auge em uma sangrenta corrida de bigas. Na nova versão, a cena levou seis semanas para ser filmada. "Mas antes teve uns três meses só de treinamento. Primeiro aprendemos a conduzir sentados, uma charrete com dois cavalos. Depois, uma com quatro. Depois, uma com quatro, de pé. Depois, uma biga com seis cavalos, sentados. E só depois de tudo isso, de pé, com seis cavalos", conta.

"Os cavalos adoram. Quando veem  o caminho livre, disparam. É muito difícil controlar. Toby (Kebbel, o Messala na nova versão) ficava apavorado. Como é que você atua numa situação dessas?", ri Jack Huston. Ben-Hur estreia nos cinemas em 18 de agosto.

adblock ativo

Publicações relacionadas