Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano | A TARDE
Atarde > Colunistas > Histórias & Sabores

Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano

Modernizada, a empresa também está produzindo drinques com seus 17 deliciosos sabores de picolé

Publicado sábado, 07 de janeiro de 2023 às 06:15 h | Autor: Isabel Oliveira
Drink de coco criado por Beta Figueiredo
Drink de coco criado por Beta Figueiredo -

Olha o Picolé Capelinha aê! Tem de ‘amendoins’, coco, chocolate, goiaba, tem de cajá.... o ‘rosário’ de sabores é infinito!  Quem, em priscas eras na cidade de Salvador, em pleno sol de verão, não se deparou com os picoleteiros do famoso Capelinha? Atire a primeira pedra quem nunca. 

Considerado patrimônio da cidade, o picolé foi fazendo fama nos anos 1970, quando o primeiro dono, Sr. Antônio, que tinha uma mercearia, viu um monte de frutas no local e inventou de transformar tudo aquilo em picolé. A antiga mercearia ficava no Alto do Peru, mas logo depois o proprietário da marca, então desconhecida, se mudaria para o bairro de Capelinha de São Caetano.

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
 

“O picolé Capelinha tem 50 anos de história de sabor e tradição, que surgiu de uma forma muito espontânea. Ele não era intitulado picolé Capelinha. Quando ‘seo’ Antônio, em 1972, criou a marca ele [o picolé] havia sido feito para ser vendido na mercearia e tinha outro nome. Então, quando Seo Antônio se muda para Capelinha de São Caetano e começa a produzir, as pessoas perguntavam aos picoleteiros de onde vinham aqueles picolés. Eles diziam: - Vem lá da Capelinha! Então, passaram a chamar o picolé, carinhosamente, de picolé Capelinha”, explica Natália Freire, diretora de marketing e comunicação do Picolé Capelinha.

Enquanto o Capelinha fazia fama, um certo garoto, então desconhecido, vendia na cidade de Salvador o gostoso Capelinha. À época, sequer sonhava que seria tão famoso quanto a marca da saborosa iguaria soteropolitana. 

Para quem não sabe, Xanddy Harmonia já emprestou seu vozeirão ao tradicional picolé baiano, fazendo ecoar o famoso bordão pelas praias e ruas da capital baiana: “Olha o Capelinha, aê!” Com muita simpatia, durante entrevista ao programa de Pedro Bial, exibido na Globo, ele contou sua história de vida e até descreveu a infinidade de frutas que anunciava e o ajudava a vender o Capelinha pela cidade. 

 

 

https://globoplay.globo.com/v/7014781/

Durante a pandemia, o Picolé Capelinha provocou um certo alvoroço soteropolitano e virou notícia, que se transformou num fuzuê. Ninguém queria acreditar que depois de anos o Capelinha deixaria de existir. Tempos depois do anúncio, acabou o mistério. A empresa foi comprada pelo empresário Fábio Costa, que modernizou a marca. Hoje, o Capelinha comercializa 17 sabores, mantendo aqueles mais tradicionais, como o amendoim, campeão de vendas; o coco, em 2º lugar no ranking; e o morango, disputando o 3º lugar com outros sabores, de acordo com as informações de Natália. 

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
  

As frutas são a base ;e alma da produção do delicioso gelado e as safras das frutas interferem no modo de produção da indústria, parte artesanal, do picolé. Além disso, alguns novos sabores entraram no mercado e isso tem muito a ver com a tecnologia moderna e o mundo globalizado. Hoje em dia, temos acesso a frutas que sequer sonhávamos que poderia existir em forma de picolé, como cupuaçu e jaca. Mas o picolé já teve sabores que hoje são considerados ‘vintage’. Alguém aí já experimentou um Capelinha sabor tamarindo ou de abacate? . Eles ainda existem, mas são lembranças afetivas para muita gente. E afetividade é que não falta na marca. 

“Todas as vezes que a gente vende um picolé, que a gente está na loja, está pelas ruas, a gente está mantendo viva a tradição de um momento de afeto e de lembranças positivas que sabemos que todo o mundo tem quando se encontra com a nossa marca. Para a gente é maravilhoso! A gente brinca que carrega as lembranças das pessoas dentro do nosso isopor”, conta Natália. 

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
  

Preservando o conceito da marca, mas acompanhando a evolução, o tradicional Capelinha também oferece drinques. A ideia é fruto de uma parceria com a influencer digital Beta Figueiredo, criadora de conteúdos no Instagram, que a pedido da empresa produziu bebidas com a cara do verão. 

“O Capelinha me encontrou no Instagram e veio com o desafio de criar um drinque com o picolé, que não é muito comum a gente ver, mas a coquetelaria é gigantesca e dá muitas possibilidades de criar drinques com o picolé e eu abracei o desafio”, contou.  

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano

A criadora de conteúdo não deixa de reforçar que adora a marca e tem a honra de ser parceira. “A parceria com o Capelinha é uma honra. Eu que sou baiana, soteropolitana, nascida e criada na praia, vejo Capelinha desde criança e o cara gritando ‘olha o picolé Capelinha", ri, gostosamente, enquanto relembra. “Sabe como é, caiu no meu colo, eu abracei com muito carinho”, enfatiza. 

Vamos então homenagear o verão baiano, apresentando, para quem não conhece, o delicioso drinque com o picolé Capelinha, aê! Veja o vídeo da simpática Beta Figueiredo que vai nos ensinar como desfrutar desta delícia baiana no vídeo abaixo! 

 

Caipiroska de água de coco e picolé Capelinha

Ingredientes:

- 50ml de vodka

- 150ml de água de coco

- 1 limão inteiro cortado em pedaços 

- 20ml de xarope de açúcar (ou 2 colheres de chá de açúcar cristal)

- 1 icolé Capelinha de coco

Modo de fazer:

Na coqueteleira, com a ajuda de um macerador, macere o limão com o xarope (ou o açúcar). Adicione a vodka, a água de coco, bastante gelo e bata bem na coqueteleira. 

Passe essa batida para um copo e finalize com o picolé Capelinha de coco

E agora é só celebrar o verão!

 NOTAS COM HISTÓRIAS & SABORES

Espetto Baiano vai assinar Praça de Alimentação do Carnavalito
Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
  

O restaurante Espetto Baiano vai assinar a Praça de Alimentação da 3ª edição do Carnavalito. Os foliões que vão curtir a mistura de ritmos na sexta, sábado e segunda-feira de Carnaval vão poder contar com um cardápio montado especialmente para o evento. Os famosos espetinhos de diversos tipos de carne, petiscos, caldos, bolinhos e muitas outras iguarias serão vendidos no espaço que terá uma superestrutura para oferecer o melhor para quem for recarregar as energias e aproveitar o melhor da festa.  Sucesso de público, o Espetto Baiano conta com três unidades na capital, na Pituba, Piatã e no Rio Vermelho.

Verão 40 °C: American Cookies aposta em sobremesas geladas para a estação

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
 

Para refrescar o paladar nos dias ensolarados de verão a American Cookies, rede brasiliense especializada na guloseima americana, aposta em versões de shakes e cookie com sorvete para o verão. Entre as opções refrescantes da marca está o American Shake (R$ 22,90 - 300ml) – milk-shakes recheados com cookies da marca, dentre outras delícias. A American Cookies oferece mais de 20 sabores de cookies artesanais feitos com ingredientes selecionados. Exemplo desse cuidado é a substituição da margarina pela manteiga de leite e a ausência de gordura vegetal, mudanças que garantem uma massa macia por dentro e crocante por fora. Os pedidos podem ser feitos na sua 1° unidade na capital, no Salvador Shopping, e por delivery, pelo app do Ifood.).

Café Feminino homenageia agricultoras do Sudoeste Baiano

Imagem ilustrativa da imagem Tradicional, o picolé Capelinha faz parte do imaginário baiano
 

A Cooperativa Mista dos Cafeicultores de Barra do Choça e Região (Cooperbac), em Barra do Choça, chegou no ano de 2023 com novidades. Entre elas, o lançamento do Café Feminino Cooperbac, 100% arábica, produzido em altitude acima de 850 metros, comercializado em embalagem de 250 gramas, que homenageia as 73 mulheres agricultoras cooperadas que produzem café.  A Cooperativa lançou também café o Cooperbac Premium, um café 100% puro. As inovações são resultado do investimento do Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva, que já destinou R$ 5,4 milhões para a Cooperbac.

Restaurante Manga realiza mais uma edição da já tradicional Festa de Yemanjá

O Restaurante Manga, anuncia mais uma edição da  sua já tradicional Festa de Yemanjá, no dia 02 de Fevereiro de 2023 (quinta), a partir das 14h. Na celebração em homenagem à Rainha das Águas, os chefs Dante e Katrin Bassi receberão público e convidados. O evento trará uma decoração temática e serviço all inclusive com feijoada, petiscos e sobremesas, e open bar de água, refrigerante, cerveja, vinho, vodka, cachaça, caipirinha e gin.  O evento celebra a data com show Anna Mametto e participação especial dos irmãos Armandinho e André Macêdo. O DJ Telefunksoul comandará as pick-ups. Os ingressos custam R$ 450,00 por pessoa e estão à venda através do contato (71) 99144.2068 (whatsapp

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS