Bolsonaro diz que não quer dar golpe, mas volta a atacar as urnas

Ataques ocorreram em reunião com embaixadores estrangeiros

Publicado terça-feira, 19 de julho de 2022 às 05:30 h | Atualizado em 18/07/2022, 22:31 | Autor: Levi Vasconcelos
Fachin: ‘Não teria porque ir a reunião de um pré-candidato’
Fachin: ‘Não teria porque ir a reunião de um pré-candidato’ -

Ontem, a pouco mais de dois meses das eleições, o presidente Bolsonaro chamou os embaixadores estrangeiros para discutir ‘o processo eleitoral brasileiro’. E convidou também o ministro Edson Fachin, presidente do TSE, que recusou argumentando que não iria a um evento ‘de um pré-candidato’. O presidente reagiu bem ao seu modo:

— Só faltou ele dizer que se eu perder vou invadir o TSE, como fizeram com o Capitólio.

E eis que no tal encontro Bolsonaro repetiu o que vem fazendo o mandato todo, atacar as urnas eletrônicas, mesmo sem apresentar qualquer prova de manipulações. E insinuar que a justiça eleitoral está articulando para eleger Lula.

Golpe —E por que Bolsonaro chamou mais de 40 embaixadores? Um deputado federal baiano disse que ele é uma das poucas estrelas sobreviventes da extrema direita, que perdeu nos EUA com  Donald Trump e na Europa, em países como a França. 

E no Brasil é óbvio que antevê  dificuldades nas urnas e antecipa as justificativas de um possível golpe, embora diga que não quer ‘rompimento institucional’. Mas fica a sensação de que com Bolsonaro só fica tudo bem se ele ganhar. Se não, já antecipa que foi roubado. Aliás, já diz que os ministro Edson Fachin, atual presidente do TSE, e Alexandre de Moraes, o que vai presidir as eleições, pretendem fazer.

O deputado Marcelo Nilo (Republicanos) não acredita:

— Só se dá golpe quando o povo quer. E o povo não quer.

Mas que ele será capaz de tentar, ninguém duvida.

Paramirim vive dia de intensa comoção com morte de médico

Imagine você, uma cidade como Paramirim, no Sudoeste da Bahia, com pouco mais de 20 mil habitantes, recebe a notícia de que o médico Heitor Wagner Silva Oliveira, 40 anos, filho da terra, de família conhecida e querida, apareceu morto na sala dos médicos do hospital de Brotas de Macaúbas, onde trabalhava.

 O choque foi grande, segundo o prefeito Gilberto Brito (PSB), que ontem à tarde estava no enterro:

— Não tenha dúvida de que hoje foi dia de intensa comoção, aquela sensação de perda irreparável.

E afinal de contas, o que aconteceu com Dr. Heitor? A pergunta toda a cidade faz. O que se diz é que ele foi vítima de um infarto, mas a necropsia, que foi feita em Irecê, ainda não apresentou um resultado conclusivo.

Heitor se formou em medicina em 2017. Antes era funcionário do DPT.

Irrigantes pedem ajuste

A deputada Fátima Nunes (PT) se diz empenhada em resolver o problema principal dos irrigantes na área de Tucano e Ribeira do Amparo, especialmente num ponto, o fornecimento de energia pela Coelba.

— Estamos precisando fazer uns ajustes com o preço cobrado na operacionalização das bombas hidráulicas.

Ela afirma que na área impera a produção de frutas como goiaba e aceroila.

Sob protestos, TJ vota a criação do cartório único

O pleno do TJ aprecia amanhã o projeto que propõe a criação do cartório único, motivo das preocupações e reações de vários segmentos, a começar pelo presidente do Registro de Imóveis do Brasil, Flaviano Galhardo: 

— Aprovar a unificação com o argumento da melhoria do serviço é inconcebível. Hoje os baianos contam com as especialidades. Como concentrar tudo num único lugar pode ser melhor? Trata-se de um retrocesso que fere as determinações do próprio CNJ.

Se o projeto passar, 89% dos municípios baianos terão apenas um cartório para todos os serviços, desde certidão de nascimento e casamento, até o registro de imóveis.

Publicações relacionadas