E será que a ponte sai mesmo? É inevitável, mas a dúvida persiste | A TARDE
Atarde > Colunistas > Levi Vasconcelos

E será que a ponte sai mesmo? É inevitável, mas a dúvida persiste

Confira a coluna de Levi Vasconcelos

Publicado sábado, 16 de março de 2024 às 00:00 h | Autor: Levi Vasconcelos
Investimento no equipamento será de aproximadamente R$ 160 milhões
Investimento no equipamento será de aproximadamente R$ 160 milhões -

E agora, com o Banco do Brasil avalizando o Fundo Garantidor da ponte Salvador-Itaparica, será que a lenda vai virar história real?

A pergunta vem de Renivado Luz, o Reni, de Nazaré, que integra o vasto time dos incrédulos da obra. ‘Tenho 66 anos, ouço isso desde menino, fiquei velho ouvindo’.

Para vitaminar as suas dúvidas, ele recorreu ao DicasFree.com, de onde guinchou a lenda pernambucana do Boi voador, que está ligada à construção de uma ponte na Maurícia, hoje Recife, prometida pelo Conde Nassau.

A demora na conclusão da ponte levou a população a exclamar que “seria mais fácil um boi voar”, do que a ponte ficar pronta. O Conde se zangou, concluiu a ponte e para pagar o custo da construção decidiu fazer um boi voar, com todo mundo pagando uma taxa para ver. E aí nasceu o pedágio.

O começo —Ele sugere que o pessoal do governo crie um boi voador para a ponte Salvador-Itaparica. Não é preciso, meu caro Reni. Aqui a história já nasceu com ele, o pedágio está explícito que existirá.

E também convenhamos, o lero-lero sobre a ponte é velho, mas ela está vindo. Esta semana, anunciou-se que o Banco do Brasil vai afiançar o Fundo Garantidor, algo em torno de R$ 2 bilhões.

Além disso, a concessionária chinesa já iniciou a sondagem em terra e está recebendo os equipamentos para o trabalho também no mar. A ponte é inevitável, amigo, por mera questão de necessidade. Agora, para a nossa geração, parece mais fácil um boi voar.

Daniel Alves, no inferno astral em Juazeiro, a lição do adubo

Definitivamente o craque Daniel Alves, antes orgulho da terra máter, Juazeiro, com direito a estátua no centro da cidade, caiu em desgraça com grande parte dos seus conterrâneos após a prisão e condenação na Espanha, acusado de estupro.

A estátua já sofreu várias agressões, mas agora ele também é alvo nas redes. Alguém pinçou o vídeo que ele postou no Instagram em 2009, quando passou o fim de ano de 2009 em sua terra. Veja o que diz:

— Galera, estou aqui correndo pela roça. Vocês sabem o que é isso? (...) É estrume de vaca, modernamente falando, para nós é bosta mesmo. Então, minha reflexão é: se hoje você está na merda, desiste não, porque amanhã a merda pode ser apenas um adubo para sua roça.

Lá dizem que por ironia do destino Daniel Alves agora tem a chance de aplicar o que ensinou. Virou adubo.

Luto por um ‘quase divino’

Figura bastante conhecida e querida nos meios políticos, Gerson de Deus, médico, duas vezes prefeito de Sapeaçu e duas deputado estadual, encheu o Recôncavo ontem de tristeza com a notícia de sua morte.

Brincalhão, o próprio Gerson costumava brincar com o sobrenome. ‘O Gerson não é tão divino como o nome diz, mas passa bem graças aos outros, que pecam muito além da conta’.

Mente em Foco, um prêmio da ONU que a baiana ganha

Lilian Monteiro Ferrari Viterbo, a baiana que comanda todo o serviço de saúde da Petrobras (no Brasil e fora) está voltando de Nova York onde integrou a delegação brasileira na ONU CSW (C0missão sobre Situação da Mulher), que discute os direitos das mulheres no planeta.

Mas o melhor chegou na bagagem. Ela trouxe o Prêmio Mente em Foco do Pacto Global da ONU, movimento internacional que privilegia a saúde mental no ambiente de trabalho.

— Acho que estamos cumprindo a nossa missão.

Ano passado, Lilian deparou-se com um caso único no Rio. Um gay e uma lésbica casaram, tiveram um filho e os dois requisitaram licença maternidade. Os dois ganharam.

Publicações relacionadas