No aniversário de Salvador, as palmas vão para Clarindo Silva

Publicado terça-feira, 29 de março de 2022 às 05:04 h | Atualizado em 28/03/2022, 22:53 | Autor: [email protected]
Clarindo Silva: ‘O Pelô espera o presente do bicentenário’
Clarindo Silva: ‘O Pelô espera o presente do bicentenário’ -

Hoje, quando Salvador completa 473 anos da ocupação portuguesa, no Centro Histórico, palco e cenário dos fatos mais importantes nos primórdios da Bahia, ostenta como emblema deste início de século a figura de Clarindo Silva, o homem da Cantina da Lua, 80 anos completados dia 16, quatro filhos e sete netos..

— Vamos em frente. Meu amanhã é hoje. Meu daqui a pouco é agora.

E vai tudo bem no Centro Histórico de Salvador.

— Sim, mas nem tanto. A recuperação prevista em dez etapas, parou na sétima e ninguém mais ligou.

Decadência — Clarindo, um arauto da cultura negra, tem 68 anos de Pelô, 50 de Cantina da Lua, conhece tudo nas redondezas e diz que na periferia do Pelourinho a coisa está esquecida. Alguns pontos, como Ladeira da Preguiça e Ladeira da Praça.

Diz ele que a degeneração  começou a partir de 1971, quando a Faculdade de Medicina saiu de lá, o Instituto Médico Legal também, a Academia de Letras da Bajia seguiu e o Cine Santo Antonio fechou as portas 

No ataque — A reação contra a quebradeira veio dos próprios comerciantes, especialmente pelo Projeto Cultural Cantina da Lua, também pai da Festa da Benção.

— Fizemos 800 shows de 1983 a 1991, Recebemos quatro ministros da Cultura.

O Projeto Cultural Cantina da Lua chegou a fazer um Manifesto à Nação também enviado para o Papa João Paulo II denunciando o abandono da Basílica.

Abordagem — A luta conquistou avanços mas ainda há muito a caminhar. Segundo Clarindo, o grande problema do Pelô e cercanias é a abordagem, ou seja o assédio de ‘moradores’a turistas, problema incurável.

O moradores aí foi aspeado de propósito. Na real, são moradores de rua. Uma legião deles habitam a área entre as as marquises da Baixa dos Sapateiros e as ruínas do conjunto, que inclui o bairro da Saúde.

Novo livro — Clarindo diz esperar que agora, na onda das comemorações do bicentenário da Independência do Brasil o Centro Histórico seja lembrado:

— É o mínimo que poderiam fazer pela cidade. O Centro Histórico não só precisa. Merece muito.

Mas Clarindo vai tocando a vida numa boa. Após lançar a 6ª edição de Memórias da Cantina da Lua,  vai lançar  (18h) na Livraria Clarin do Shopping Barra um novo livro, o Conversas de Buzú.

Enfim, Clarindo que viveu a vida no palco  de muitas histórias resolveu também  contá-las. Um show de bom humor.

O Pelô é o grande coração (do Centro Histórico de Salvador, mas o coração só funciona se as artérias estiverem bem oxigenadas Clarindo, o da Cantina da Lua criticando o abandono do Centro Histórico,
 

A boa torcida dos  amigos, o lado bom do perrengue

Foi pelo bom astral do dito cujo que Clarindo Silva marca a minha retomada. Passei um bom perrengue. E agora posso dizer que já vi a morte de perto. Nada de anjos e arcanjos. Apenas uma intensa dor no peito, uma noite sem dormir. Lá em Valença, Dr. Ronald Fonseca Filho, o primeiro a atender, acertou: infarto.

Saí de UTI Ambulância buscando o Tereza de Lisieux, o hospital do meu plano, o Hap Vida. Fui muitíssimo bem tratado por todos, a começar pelos médicos André Durães, também diretor do Tereza e Antonio Nery, o cardiologista que me colocou dois stents em duas de quatro artérias com problemas.

E veio também uma enxurrada de boas energias de colegas, amigos e afins. Foi o lado bom.

Ressalva: como jornalista não posso omitir a minha irresponsabilidade no caso. Perdi o primeiro tempo para m eu único inimigo, o cigarro. Quero ganhar o segundo.

Publicações relacionadas