O Carrasco - De olho no voo de Dal

Publicado segunda-feira, 24 de maio de 2021 às 06:00 h | Atualizado em 24/01/2022, 10:59 | Autor: Administrator

DE OLHO NO VOO DE DAL

Enquanto a terra treme, o helicóptero está voando. A outrora terra Cidade Jardim, conhecida pelas belas praças, está vivendo um novo tremor político. Por lá, a conversa é uma só. Fala-se na cidade que o deputado estadual, Dal do Helicóptero, vai se candidatar a deputado federal. Não deu outra. O já sumido prefeito que vive de perseguir para alcançar as aventuras de Dal, já anuncia nos bastidores que vai se candidatar a deputado estadual. Nessa caça sem fim, Dal sai do chão e Júlio, o incomodado, vai deixando o posto e a população desassistida.

CONCHA NA MIRA

Tem empresa sendo investigada e caindo nas Cortes estrangeiras. Um tribunal nigeriano determinou que a Royal Dutch Shell e a Eni renunciem ao controle de um grande bloco de exploração de petróleo offshore em meio a uma investigação de como elas adquiriram esse ativo por mais de US$ 1 bilhão de dólares. Os executivos da Shell que compõe o alto escalão já estão vendo o cerco fechar e, acostumados a dominar as bombas, podem ver o poder ruir. Pelas bandas de cá, o Carrasco está de olho e avisa que é diferente. Por aqui vale a advertência que baiano tem sangue nigeriano na veia e não come reggae!

PERGUNTAR NÃO OFENDE

O MPE e o MPF se levantaram contra a inclusão de profissionais de comunicação como grupos prioritários na vacinação contra a Covid. O debate, pelo menos, é válido: estariam os jornalistas que trabalham nas ruas e redações mais ou menos expostos do que outras categorias? Mas o ponto primordial é outro: onde estavam MPE e MPF, tão zelosos, quando diversas outras classes (essas muito mais organizadas e com maior poder de lobby) tiveram prioridade na imunização sem qualquer nível de exposição, ou no mínimo com pouca exposição? A lista é longa: vai de psicólogos autônomos a servidores de universidade em trabalho remoto.

NÃO CUSTA OLHAR

Ainda sobre a fila de vacinação: alô, Ministério Público, dá uma olhadinha na lista de funcionários imunizados da CCR. Aparentemente, toda a empresa é formada por metroviários, que têm prioridade na vacinação.

AVISO DADO

Dr. Otto avisou logo no começo da CPI: "Sou ortopedista, não sou médico". A piada o fez receber reprimenda da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, que nunca deve ter ouvido que o melhor lugar para se esconder dinheiro de um ortopedista é dentro de um livro de Medicina. De qualquer forma, Dr. Otto pode colocar mais um na lista dos atendidos por ele em emergências no Congresso. Pazuello se junta a Cid Gomes e Jorge Kajuru.

DEVE FICAR

Com o acúmulo de funções de secretária do Meio Ambiente e diretora-geral do Inema, Márcia Cristina Telles pode ser efetivada no cargo máximo da pasta e comandar a Sema até o final do governo Rui Costa. Servidora efetiva do Estado e tida como técnica competente, Márcia foi alçada para comandar o Inema na gestão Wagner e permaneceu nos últimos seis anos na gestão Rui. A Rádio Povão FM já começou a propagar a possibilidade de o governador mantê-la secretária e nomear o diretor de Fiscalização Ambiental, Marcos Silva Machado, para comandar o órgão ambiental.

SEGUE NO GOVERNO

O PDT foi retirado do primeiro escalão do governo Rui, mas ainda mantém cargos no segundo. Nem os disparos do presidente do partido, Félix Mendonça Jr., ao defender que a Bahia está mais para lulobolsonarismo do que lulopetismo animou o governador no processo de aceleração da retirada dos adversários da máquina estadual. Na Juceb, permanece Andréa Mendonça, irmã de Félix. No Ibametro, o diretor-geral Thales Dourado é genro do deputado Roberto Carlos. Já Yann Andrade Fernandes, filho do deputado Euclides Fernandes, é diretor de Desenvolvimento Empresarial do órgão. E Ariene Couto, esposa do deputado Samuel Jr., é diretora de Política e Economia Agrícola da Seagri. Pelo visto é o famoso um olho na missa e outro no padre.

MOSCA AZUL

Parece que a mosca azul mordeu, de novo, o secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. Corre boato que o chefe da Sesab quer se inscrever para disputar umas das 39 cadeiras baianas na Câmara dos Deputados em 2022. Pretende acompanhar Rui, caso se candidate e vença a vaga do Senado. Só precisará de um partido e vencer os rounds com os atuais parlamentares da base que sentirem que seus espaços estão sendo invadidos pelo “Homem da Saúde”.

PANELA VELHA

A foto dos ex-presidentes FHC e Lula atiçou muita gente, inclusive o próprio Bolsonaro, que se mostrou irritado na sua tradicional live e ofendeu o tucano e o petista. O encontro, que pegou alguns de surpresa, vai contra a tese da "nova política". Se para uns a aproximação representa um retrocesso, para outros é a garantia que experiência e o pragmatismo vão ser os instrumentos para retomar as rédeas do país. É como diz o ditado, "panela velha é que faz comida boa".

ENCOSTOU NA PAREDE I

O mal-estar do general Eduardo Pazuello durante o depoimento na CPI da Covid gerou muito burburinho. Logo após ele passar mal, o presidente da Comissão, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a sessão. Na imprensa, quase todos ligaram um fato a outro, e parlamentares bolsonaristas tentaram criar polêmica com o assunto. No entanto, no dia seguinte, quando foi retomada a oitiva, o senador Otto Alencar (PSD), que atendeu Pazuello durante o mal súbito, fez questão de colocar o general na parede e pediu para ele confirmar o que tinha sentido. Contudo, o próprio Omar Aziz explicou que a suspensão não se deu pelo general, mas sim para dar tempo da sessão de ordem na Casa. Em tempo: fontes bolsonaristas estão revoltados com a postura do senador amazonense. Relembram que os processos de corrupção envolvendo Aziz, sua esposa e seus irmãos – e não são poucos, estão na primeira instância e devem causar muita dor de cabeça ao parlamentar, então governador do Amazonas.

ENCOSTOU NA PAREDE II

Minutos depois, Otto constrangeu Pazuello com perguntas básicas sobre o coronavírus e questionou se o militar tinha feito cursos de epidemiologia ou voltados para compreensão da doença. Todas as respostas de Pazuello foram negativas. Experiente, o baiano lembrou que, quando foi secretário de Infraestrutura do Estado, buscou se aprofundar na área para poder exercer o cargo.

BAITA CONSTRANGIMENTO

Pensem numa coisa que tira Rui Costa do sério é ser constrangido. Na semana passada, o governador esteve na Costa do Descobrimento e foi surpreendido com os funcionários do hospital de campanha de Eunápolis anunciando que entrariam em greve por sucessivos atrasos no pagamento de verbas salariais. A queixa que deixou o governador espumando de raiva voltou-se contra a Fundação GONÇALVES E SAMPAIO, que estaria sendo notificada sobre o movimento paredista hoje. Em nota, a prefeitura de Eunápolis afirmou que “o recurso não vem sendo repassado no período estabelecido” pelo governo baiano e que existem atrasos em março e abril. Envergonhado, Rui Costa disse desconhecer o atraso, que “paga regularmente todos os prestadores de serviço” e que “vamos ver o que está acontecendo e pedir imediatamente uma correção” não se repitam. Não é a primeira vez que essa Fundação e o médico ALMIR GONÇALVES são envolvidas em polêmicas. Com VIDAS HUMANAS, MEDICINA E SAÚDE PUBLICA, repita-se, não se brinca. Parece que tem uma turminha em Itabuna que não tem jeito.

COMENDO NO CENTRO

Em Feira de Santana, a CPI continua "fervendo", porém não dá para competir em paralelo com a CPI da Covid-19. Imitar os envolvidos, quem sabe? Esta semana o principal citado em depoimento feito pelo vereador Paulão do Caldeirão, Elenildo Sobral, mais conhecido como “Gringo”, apresentou à comissão um comprovante de exame de Covid 19. A CPI tem objetivo de investigar possíveis irregularidades em distribuição de cestas básicas durante o período eleitoral. Deve ter seguido exemplo do ex-ministro Pazuello. Não tem jeito, a hora vai chegar para todos.

NEM PENSAR

Falando em Feira de Santana, o município pode ficar com serviços paralisados nas unidades básicas de saúde (UBS). Colaboradores que atuam na Secretaria Municipal de Saúde denunciaram que estão com até três meses de salários atrasados. O prazo dado para pagamento dos salários foi até a última quinta-feira, 20. Em meia a uma pandemia seria um caos. Não dá para imaginar o resultado.

QUEM PLANTA, COLHE

A empresa Veracel Celulose vai precisar se explicar sobre três áreas ocupadas pela empresa, no distrito de Itaimbé, município de Potiraguá. Isso após o pedido feito pela Câmara Municipal. O caso é sobre um possível plantio e colheita de eucalipto em áreas rurais pertencentes à Potiraguá. De acordo com a Lei de n.º 10, de 16 de setembro de 2010, é proibido o plantio de eucalipto e similares, por empresas nacionais, multinacionais e por pessoas físicas em propriedade situada no município. Agora é esperar o prazo de 15 dias dado para a Veracel.

É CADA UMA!!!

Na semana passada a Câmara dos Deputados aprovou a Medida Provisória da desestatização da Eletrobras. Tirando raríssimas exceções, os deputados baianos de partidos que compõem a base do governo votaram a favor da matéria, que foi aprovada por amplíssima maioria. Dos dissidentes, o que mais chamou atenção foi o deputado Mario Negromonte Júnior (PP), que foi as redes sociais, inclusive, para dizer que “se tivesse votado a favor rasgaria a minha história porque minha família e minha região construíram a história da Chesf”. Considerando o rosário de acusações contra sua família, o Carrasco só pode crer que o nobre parlamentar perdeu a memória.

TEÚDA E MANTEÚDA

É sabido por todos que muitos marinheiros que trabalham em navios aportados na Baia de Todos os Santos mantêm amantes aqui em Salvador, muitas delas residentes nos bordéis da Conceição da Praia. Agora, se descobriu que um famoso Amarante, com domicílio no Porto de Salvador, também teria a sua, só que esta é coisa fina, é domiciliada na Avenida da França. O Carrasco avista escândalo.

STELLA MARIS I

Tem chegado a esse Carrasco inúmeras denúncias de moradores da região de Stella Maris indignados com as ações dos Ministérios Público Estadual e Federal tentando impedir que o Município de Salvador conclua a obra de requalificação da orla de Stella Maris e Praia do Flamengo. No ano de 2019, o MPF quis usar a SPU para parar um trecho da obra, porém o órgão patrimonial da União informou que a área onde estava sendo realizada a intervenção era um logradouro público, portanto, área de propriedade do Município de Salvador e que, por isso, não poderia interferir.

STELLA MARIS II

Com a informação de que a área era do Município de Salvador e o MPF não poderia atuar, entrou em cena o MPE, através da Promotora Cristina Seixas Graça, que abriu um Inquérito Civil no ano de 2020 para apurar a legalidade da obra em razão de denúncia do Instituto dos Arquitetos da Bahia – IAB-BA. Passados mais de doze meses da abertura do IC, o MPE não tomou qualquer providência. Dessa vez parece que esse povo ficou com medo da lei de abuso de autoridade.

STELLA MARIS III

Como o MPE não concluiu o Inquérito Civil, entra em cena agora o famoso parceiro do MPE, o GAMBÁ, que juntamente como o IAB-BA e uma novíssima Associação de Moradores, Empresários e Amigos da Orla de Stella Maris, ingressaram na Justiça Federal com um mandado de segurança contra diversas autoridades de órgãos federais e municipais visando paralisar a obra. Como era de se esperar, o Juiz Federal Carlos D’Ávila, relator da ação civil pública que trata de toda a orla de Salvador e Lauro de Freitas, negou o absurdo pedido e preferiu determinar apenas que a SPU fiscalizasse o andamento da obra. Coisa de quem tem responsabilidade e entende que o contraditório deve prevalecer nessas matérias onde um lado sempre conta inverdades.

STELLA MARIS IV

Algo que chamou atenção nesse episódio foi que depois da negativa da paralização da obra num mandado de segurança encaminhado para o Juiz Federal Eduardo Carqueija e estando o assunto judicializado perante a Justiça Federal, o MPE, em menos de 30 dias da data da decisão judicial, através da Promotora Cristina Seixas Graça, voltou a mexer no seu adormecido inquérito civil e oficializou o órgão patrimonial da União solicitando informações sobre a obra e agora alegando outro motivo para apurar possível irregularidade. Alguém entende essa Bahia?

ENQUADRADA

Essa semana merecem nosso destaque a assessoria da 3ª Vara Federal de Salvador e o conflito de competência que surgiu no episódio da revitalização da orla de Stella Maris. Se não bastasse a comprovação da influência do GAMBÁ junto ao MPE, chamou atenção, no caso, a posição do Juiz Eduardo Carqueija em avocar para si a discussão sobre a regularidade da obra. Quando recebeu o pleito de paralisação no bojo da ação civil pública que tramita na 13ª Vara Federal, o Juiz Carlos D’Ávila, ciente da propositura de um mandado de segurança com pedido idêntico na 3ª Vara, determinou fosse oficiado o colega para lhe informar que todas as questões na faixa de marinha de Salvador e Lauro de Freitas já estavam sendo tratadas na ACP de sua relatoria. Por outro lado, ao despachar o famigerado mandado de segurança intentado em 2021, o Juiz Eduardo Carqueija “tratorou” o colega usando um argumento que parece não refletir a realidade. Segundo Carqueija, D’Ávila não seria mais competente porque já teria sentenciado a ACP. O Carrasco consultou o processo e descobriu que não houve sentença. Essa coisa de ouvir assessor por vezes coloca julgador em maus lençóis.

Publicações relacionadas