Licitação parada no ferry traz preocupação | A TARDE
Atarde > Colunistas > Tempo Presente

Licitação parada no ferry traz preocupação

Confira a coluna Tempo Presente

Publicado quinta-feira, 07 de março de 2024 às 00:00 h | Autor: Tempo Presente
Imagem ilustrativa da imagem Licitação parada no ferry traz preocupação
-

A falta de evolução do processo de licitação para a aquisição de uma nova embarcação para o sistema de ferry boat está sendo percebida como mau sinal não apenas pelos usuários do sistema. Servidores da própria Agerba também têm externado preocupação com o andamento da concorrência, que já esteve perto de ser finalizada e acabou voltando para estágios iniciais. Nos bastidores, circula a informação que os atrasos estão sendo causados por uma das empresas concorrentes, com o apoio de uma ala política baiana, que tenta forçar a modificação das especificações do objeto do contrato para oferecer um produto de qualidade inferior.

Ou seja: além de estar atrasando a aquisição da nova embarcação – com a aproximação do feriado de Semana Santa e dos festejos juninos, já dá para prever novos episódios de filas intermináveis e muita confusão –, a tal empresa ainda está propondo que o serviço da travessia, em si, tenha uma pior qualidade para  a  população.

Memórias da ditadura

Todo dia é dia de lembrar os horrores da mais recente ditadura militar no Brasil (1964-1989), pois só assim, com a memória diária dos crimes, pode-se mobilizar todos os recursos para evitar repetir as atrocidades cometidas. Tomando como válida esta proposição, os livros simultâneos de mãe e filha serão lançados pela Aretê Editoria e Comunicação, trazendo narrativas de crimes ainda impunes. Os livros-reportagem abordam o sequestro, a prisão, o assassinato sob tortura e a ocultação do cadáver de Gildo Macedo Lacerda em 1973: a professora Marluce Moura, viúva de Gildo, e sua filha Tessa, são as autoras. Ambos os livros serão lançados em Salvador, em data a ser definida.

Ação urgente contra dengue

A estimativa de 80% dos focos de dengue presentes nas residências, de acordo com dados confiáveis do Ministério da Saúde, motivou o Conselho Estadual de Saúde da Bahia a buscar providências para ampliar o combate à praga. A ideia é provocar o Ministério Público da Bahia e o Tribunal de Justiça com o objetivo de cobrar a aplicação de medidas autorizando o ingresso em imóveis públicos e particulares em situação de abandono. Segundo o presidente do Conselho Estadual de Saúde da Bahia, Marcos Gêmeos, a cobrança dessa ação é de extrema importância no combate à dengue, pois a situação é de alto risco para a população.

Publicações relacionadas

MAIS LIDAS