Petróleo e suas manchas

Publicado domingo, 20 de outubro de 2019 às 07:07 h | Atualizado em 19/10/2019, 17:29 | Autor: Miriam Hermes e Redação | [email protected]

Enquanto o prefeito de Salvador, ACM Neto, vem adotando providências, desde que ainda estava em Roma, acompanhando diariamente as ações da sua equipe e visitando in loco, ao retornar, as praias de Salvador prejudicadas pelo acidente ambiental da contaminação por óleo, o correligionário de Camaçari, Elinaldo Araújo, não pisou o pé na praia. Só recebe informações à distância e ainda pega “carona” em foto de reunião das ações e medidas do governador Rui Costa.

Cachoeira: turismo histórico em alta

Dizer-se brasileiro sem conhecer as histórias de luta e coragem da Cidade Heroica é o que se pode considerar uma proposição em contradição consigo mesma. Afinal, foi em Cachoeira o começo da epopeia cujo desfecho deu, nada mais, nada menos, na Independência do Brasil.

O investimento neste turismo histórico é uma das novidades da Festa Literária Internacional de Cachoeira, a Flica, programada para começar na próxima quinta-feira, dia 24.

A Secretaria de Turismo do Estado anunciou a realização de uma série de visitas gratuitas guiadas para os participantes conhecerem os locais e parte das histórias de combate e vitória sobre os invasores portugueses.

A previsão é de 35 mil visitantes ao município, situado a 130 km de Salvador. Diariamente serão realizados dois passeios por dia, um pela manhã e outro, à tarde, antecedidos por breves palestras de uma hora de duração.

O ponto de partida será a Fundação Hansen, de onde os visitantes partirão para conhecer pontos turísticos relacionados à Independência do Brasil, como a Casa da Câmara e Cadeia e a Igreja Matriz Nossa Senhora do Rosário.

Monumento nacional – Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1971, Cachoeira é considerada Monumento Nacional e constitui importante acervo arquitetônico no estilo barroco.

Uma das principais vilas do Brasil durante o período do império, Cachoeira notabilizou-se também como primeiro centro de produção de jornais, voltados para a formação de opinião pública nacionalista, nas origens da nação brasileira.

“O momento é de lucidez, do iluminismo e da ciência. O mundo inteiro luta neste momento para não deixar doenças totalmente ultrapassadas retornarem”

Luiz Henrique Mandetta,ministro da Saúde, ao pedir consciência à população brasileira sobre a importância da vacinação. Ele afirmou que não imunizar uma criança é um “ato de negligência”

Santa Dulce na Alba

O deputado estadual Aderbal Caldas (PP) sugeriu ao atual presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), o pepista Nelson Leal, a compra de 63 molduras com a imagem da Santa Dulce dos Pobres – canonizada no último dia 13 de outubro – para serem afixadas nos gabinetes dos deputados. Em defesa da iniciativa, o progressista cita a atuação de Irmã Dulce e sua projeção após ter sido canonizada.

– O trabalho de Irmã Dulce extrapolou as fronteiras nacionais e ela passou a ser venerada por todo o mundo ocidental, motivo de grande orgulho para os brasileiros e para os baianos. Emoldurando o retrato em nossos gabinetes, nós expressamos esse orgulho – explicou o parlamentar, em defesa da sugestão.

Agroecologia em Utinga

A VI Jornada de Agroecologia da Bahia termina hoje na terra indígena do povo Payayá, cabeceira do rio Utinga, no município de mesmo nome. O evento reúne cerca de duas mil pessoas entre indígenas, quilombolas, mestres de tradição oral, movimentos sociais profissionais de agroecologia, assentados, acampados, estudantes e pesquisadores de diversas regiões do estado. ‘Terra, Território, Águas e Ancestralidade – Tecendo o Bem Viver’ é o tema central da edição 2019 do encontro, promovido anualmente pela Teia de Agroecologia dos Povos, um movimento formado para fomentar a articulação entre diversos grupos com representação popular. “Se nós não preservamos os rios, as matas, as sementes, os animais e principalmente as abelhas, teremos uma Terra desértica”, afirmou o membro da Teia, cacique Juvenal Payayá. Ele, que é anfitrião desta jornada, acrescentou que “de certa forma a alimentação já está faltando, pois mais de um bilhão de pessoas morrem, por ano, de fome no mundo”, lamentou. Dentro do projeto de agroecologia, os Payayás mantêm uma Unidade de Produção de Mudas, que contempla desde a coleta de sementes de árvores nativas e espécies em processo de extinção ao reflorestamento da Chapada Diamantina, com capacidade de produção de 100 mil mudas por ano.

POUCAS & BOAS

Em Feira de Santana acontece hoje a 2ª etapa do projeto Transporte em Ação, com programação voltada para a criançada. O evento, que acontece no Sest Senat a partir das 9h, conta com atividades lúdicas e recreativas para incentivar a prática de exercícios e também vai disponibilizar serviços básicos de saúde.

Publicações relacionadas