Fortalecer reciclagem contribui com transformação social

Publicado quarta-feira, 01 de dezembro de 2021 às 06:00 h | Atualizado em 30/11/2021, 19:08 | Autor: Da Redação

"Eu sou responsável por meu resíduo". A afirmação de Edmundo Góes, presidente da Cooperativa de Trabalho Dos Agentes Ecológicos do Paraguary (Cooperguary), apesar de lógica, é pouco compreendida pela maioria da população, que, como ele mesmo complementa, "consome sem se preocupar com o resíduo que está produzindo". É neste contexto que são produzidas 80 milhões de toneladas de resíduos no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Limpeza Pública (ABRELPE). Na Bahia, são mais 5 milhões de toneladas. Ainda segundo a entidade, apenas 4% do volume nacional é reciclado.

Para Magnólia Borges, gerente de Relações Institucionais da Braskem na Bahia, fortalecer a cadeia da reciclagem contribui para que o plástico represente uma solução sustentável simples, barata e eficaz, oferecendo segurança e prevenção para a sociedade, principalmente nesse cenário de crise sanitária, alcançando ganhos sociais coletivos e relevantes. "A pandemia evidenciou a urgência de refletirmos sobre consumo e qual destinação damos ao nosso resíduo. O plástico, por exemplo, pode transformar positivamente o dia a dia, além de gerar renda e emprego. Para que isso ocorra, o que precisamos é mudar nossas atitudes, por hábitos sustentáveis e que contribuam para a economia circular", defende.

Descartando corretamente, o resíduo deixa de ser lixo e passa a representar renda. A reciclagem gera mais de R$ 138 milhões todos os anos para cooperativas de catadores, de acordo com o Anuário da Reciclagem 2020. "Quem não tem conhecimento acha que é lixo, mas para mim, o resíduo reciclável é trabalho e renda", afirma Michele Almeida, 35 anos, que vive há 14 anos da reciclagem, de onde conquista o sustento dela e do filho de 4 anos. Ela é uma das cooperadas da Cooperativa de Coleta Seletiva Processamento de Plástico e Proteção Ambiental (CAMAPET), que é beneficiada pelo projeto SER+, desenvolvido pela Braskem em parceria com a cooperativa Mãos Verdes com o intuito de estimular a reciclagem com inclusão social e incremento de renda.

O programa já alcançou 40 unidades de triagem em quatro estados brasileiros, sendo quatro delas na Bahia: Coopmarc (Camaçari), Camapet e Cooperguary (Salvador) e Verdecoop (Distrito de Porto de Sauípe, em Entre Rios). Com cooperação técnica e financeira, o SER+ proporciona capacitações profissionais, assessorias técnicas e reestruturação das cooperativas, gerando resultados expressivos. De janeiro a agosto de 2021, o projeto beneficiou diretamente 113 catadores, que alcançaram uma renda média de R$ 1.426,00, o dobro do que receberam em 2020.

Comprometida com o desenvolvimento da Economia Circular, a Braskem assumiu o compromisso de evitar, até 2030, que 1,5 tonelada de resíduos plásticos sejam enviadas para incineração, aterros ou cheguem até o meio ambiente. A Eliminação de Resíduos Plásticos é um dos sete novos macro-objetivos lançados este ano pela companhia em alinhamento aos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU para 2030. A indústria também almeja ampliar o portfólio I'm green para incluir até 2025, 300 mil toneladas de resinas termoplásticas e produtos químicos com conteúdo reciclado; e, até 2030, 1 milhão de toneladas desses produtos.

Educação ambiental

Para alcançar essas metas, foram promovidas mudanças operacionais, mas também são reforçadas as iniciativas que fortalecem a economia circular. Com o propósito de disseminar informação sobre economia circular, o projeto Braskem recicla, realizado pela Solos com patrocínio da Braskem, promoveu uma reflexão sobre a importância de adotar hábitos mais sustentáveis. Durante duas edições, em 2020 e 2021, a iniciativa instalou drive-thru em Salvador, onde a população descartou resíduos, como embalagens plásticas, papel, papelão, óleo de cozinha, eletrônicos, eletrodomésticos, metais e vidro.

Na primeira edição, que durou um mês, foram coletadas 6 toneladas de materiais recicláveis, impactando mais de 56 mil pessoas. Já na segunda, que durou sete dias, foram arrecadadas 7,5 toneladas, alcançando mais de 121 mil pessoas. "Vemos como a adesão das pessoas vem crescendo e, mais do que isso, como conseguimos converter e fidelizar participantes a cada edição. Isso mostra que cada vez mais, vamos contagiando pessoas e trazendo credibilidade", comemora Saville, que já planeja uma nova edição do projeto com patrocínio da Braskem.

Publicações relacionadas