Bélgica anuncia primeiro caso na Europa da nova variante do coronavírus

Publicado sexta-feira, 26 de novembro de 2021 às 12:24 h | Atualizado em 26/11/2021, 12:32 | Autor: AFP

O governo da Bélgica anunciou nesta sexta-feira, 26, o primeiro caso na Europa da nova variante do coronavírus detectada na África do Sul, em uma pessoa não vacinada que viajou ao exterior.

"Temos um caso confirmado da variante. Trata-se de alguém que veio do exterior e testou positivo em 22 de novembro e não estava vacinado", afirmou o ministro da Saúde belga, Frank Vandenbroucke.

O virologista belga Mark Van Ranst escreveu no Twitter que a pessoa, que não havia sido infectada pelo vírus até agora, voltou do Egito em 11 de novembro.

"Temos que repetir que é uma variante suspeita, não sabemos se é uma variante muito perigosa", disse Vandenbroucke, apesar de ter mencionado que alguns países europeus estão fechando as portas para viajantes procedentes de vários Estados do sul da África por "precaução".

"Precaução total, mas sem pânico", disse, antes de informar que o grupo belga de avaliação de riscos de covid-19 está analisando a situação.

Continente se fecha

A nova variante do coronavírus detectada na África do Sul fez com que vários países europeus, onde a pandemia se agrava há semanas, decidissem fechar as portas aos viajantes procedentes de vários Estados do sul da África.

O primeiro país a se blindar foi o Reino Unido, que anunciou na quinta-feira, 25, a proibição de entrada de pessoas procedentes de seis países da África: África do Sul, Namíbia, Lesoto, Zimbábue, Botsuana e Eswatini (ex-Suazilândia) a partir de hoje.

Nesta sexta-feira, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou no Twitter que vai propor "ativar o freio emergencial para interromper os voos procedentes da região do sul da África" durante uma reunião prevista para as próximas horas.

"A situação está evoluindo muito rápido, queremos ter as máximas garantias para frear a expansão desta variante", disse à AFP um porta-voz da Comissão Europeia.

Mas vários países, como Alemanha, França e Itália, não esperaram a determinação de Bruxelas. "A última coisa que precisamos agora é uma nova variante que cause mais problemas", disse o ministro da Saúde alemão Jens Spahn, país onde o coronavírus avança com força há semanas.

A Itália também anunciou que proibirá a entrada em seu território de qualquer pessoa que tenha permanecido no sul da África nos "últimos 14 dias".

Publicações relacionadas