Brad Pitt é acusado por suspeita de estelionato em processo de R$ 560 mil

Publicado domingo, 11 de outubro de 2020 às 08:14 h | Atualizado em 11/10/2020, 08:18 | Autor: Da Redação

O ator Brad Pitt está sendo processado em US$ 100 mil - equivalente a R$ 560 mil, por uma mulher que o acusa de estelionato. Kelli Christina, presidente de uma empresa de cuidados médicos, afirma que o astro de Hollywood teria recebido US$ 40 mil - R$ 224 mil dela em doações para a caridade, em troca de comparecimento a eventos. No entanto, ele não teria comprido com o combinado, segundo ela. As informações são do jornal britânico Daily Mail.

De acordo com Christina, o ator dava desculpas para não comparecer aos eventos. O processo movido contra o Brad Pitt é de US$ 100 mil (cerca de R$ 560 mil), por quebra de contrato e fraude, na intenção de recuperar o dinheiro investido, além de danos adicionais.

“Em 2018, a requerente Kelli Christina foi abordada por Brad Pitt com propósitos de arrecadar fundos para a Fundação Make it Right, uma caridade que beneficia as vítimas do Furacão Katrina. Kelli foi persuadida pela apresentação de Brad Pitt da suposta digna causa. Eles, então, entraram em um acordo com termos e condições específicas”, descreve o processo.

Kelli cita que depositou dinheiro em diferentes contas do ator, afirmando serem de diferentes pessoas da organização. Ela declara que não sabe se o dinheiro chegou até as vítimas do Furacão.

Além disso, a mulher revelou que a relação de ambos teria evoluído do ambiente de trabalho, para uma possibilidade de casamento, no qual chegou a ser discutida entre eles.

O artista disse à Justiça que nunca obteve contato com a mulher e que nunca recebeu dinheiro dela. A defesa de Brad Pitt acredita que outra pessoa tenha se passado por ele durante as negociações.

“Nem as entidades da Make it Right, nem o Sr. Pitt entraram em um acordo com a requerente. Ao invés disso, como ela mesma reconhece, parece que as comunicações dela sobre qualquer acordo foram com um ou mais indivíduos ilegalmente se passando – mas de nenhuma forma afiliado com – o Réu on-line”, ressalta o documento divulgado pelo Daily Mail.

Publicações relacionadas