“Torto Arado” é semifinalista de prêmio internacional Booker Prize | A TARDE
Atarde > Cultura > Literatura

“Torto Arado” é semifinalista de prêmio internacional Booker Prize

Obra do baiano Itamar Vieira Júnior aborda a temática do trabalho em condições semelhantes à escravidão

Publicado segunda-feira, 11 de março de 2024 às 15:32 h | Autor: Da Redação
Escritor expressou sua gratidão pela indicação em suas redes sociais
Escritor expressou sua gratidão pela indicação em suas redes sociais -

Grande vencedor do Jabuti, "Torto Arado" (2019), conquistou as listas de best-sellers no Brasil, sendo publicado em mais de 20 países e vendendo mais de 700 mil cópias. Agora, a obra-prima do escritor baiano Itamar Vieira Júnior, que aborda a temática do trabalho em condições semelhantes à escravidão, está concorrendo em uma categoria internacional de um dos mais prestigiados prêmios literários do Reino Unido, o Booker Prize.

Sob o título "Crooked Plow" e traduzido por Johnny Lorenz, o livro é semifinalista do International Booker Prize, cujo propósito é apresentar aos leitores de língua inglesa os melhores textos publicados em diversas partes do mundo. A obra de Vieira Júnior já recebeu o reconhecimento de ser incluída na tão cobiçada longlist, que seleciona 13 obras.

Ao final do processo, seis obras serão escolhidas para a shortlist, a ser anunciada em 9 de abril, e um livro será consagrado como o grande vencedor, cujo anúncio está previsto para 21 de maio. Segundo o próprio prêmio, a lista que incluiu "Torto Arado" selecionou livros que "abordam temas de coragem e bondade, destacam a importância vital da comunidade e exploram os impactos de lutar contra a tirania".

O escritor expressou sua gratidão pela indicação em suas redes sociais e trouxe uma tradução das palavras dos jurados:

"Bibiana e Belonisía são duas irmãs cuja herança chega na forma de uma misteriosa faca de uma avó, que descobrem enquanto brincam e depois desembrulham dos seus trapos e provam. A boca de uma irmã foi gravemente cortada e a língua da outra foi decepada, ferimentos que as unem como tecido cicatricial, embora apresentem os traços de maneiras diferentes. Situado na região da Bahia, no Brasil, para onde aproximadamente um terço de todos os africanos escravizados foram enviados durante o auge do comércio de escravos, o romance nos convida a conhecer as relações profundamente enraizadas dos povos afro-brasileiros e indígenas com suas terras e águas - incluindo a forma como estas comunidades exigem amor, deuses, canções e sonhos – apesar das brutais perturbações coloniais. Uma história dolorosa, mas terna, das origens da violência, de como passamos nossas vidas tentando fazer com que floresçam amor e carinho, e da linguagem e do silêncio de que precisamos para alimentar nosso cuidado".

Publicações relacionadas