adblock ativo

Cantora e compositora carioca Denise Emmer, famosa nos anos 1970 e 80, volta à cena

Publicado às | Atualizado em 15/10/2021, 23:38 | Autor: Eugênio Afonso
Cantora pretende fazer show assim que a pandemia permitir | Foto: Daniela Dacorso | Divulgação
Cantora pretende fazer show assim que a pandemia permitir | Foto: Daniela Dacorso | Divulgação -
adblock ativo

Quem tem menos de 50 anos de idade talvez não consiga associar o nome à pessoa. Denise Emmer, 63, é uma cantora carioca que fez sucesso no final dos anos 1970, mais especificamente em 1979, com a música Alouette, tema da novela Pai Herói, de ninguém menos do que Janete Clair (1925- 1983), autora também de Irmãos Coragem (1970), Selva de Pedra (1972) e Pecado Capital (1975), três das mais emblemáticas novelas da época de ouro da telenovela no Brasil. Janete, inclusive, é mãe de Denise.

Isso mesmo, Denise é filha da novelista com o escritor baiano Dias Gomes (1922- 1999), outro baluarte da teledramaturgia nacional, autor de obras memoráveis, como O Pagador de Promessas, peça de teatro adaptada para o cinema, em 1962, por Anselmo Duarte, e único filme brasileiro a conquistar a Palma de Ouro no Festival de Cannes até hoje. Dias ainda tem no currículo obras-primas como as novelas O Bem-Amado e Roque Santeiro.

Com mais de 40 anos de carreira musical, Denise, que também é escritora, poeta, compositora e instrumentista, esteve sumida da grande mídia por um bom tempo e agora volta à cena com o lançamento, nas plataformas digitais, de diversos álbuns que só existiam em LP ou CD.

“Meu afastamento da ‘grande mídia’ foi opcional. Não quis seguir o caminho do sucesso fácil da canção Alouette. Já possuía uma bagagem de músicas autorais em meu idioma e em meu estilo próprio. Entretanto, os produtores e as gravadoras insistiam para que eu gravasse um disco em francês, o que recusei”, conta Emmer.

Para ela, estar na grande mídia nunca foi objetivo de vida. “Enquanto isso, escrevia muita poesia e a minha carreira literária era reconhecida gradativamente com ótimas críticas nos cadernos especializados e, por fim, prêmios relevantes, tais como o ABL de Poesia, o APCA, José Martí da Casa Cuba Brasil (Unesco), entre outros”.

Trabalho inédito

Recentemente, a cantora disponibilizou nos streamings um disco inédito gravado em 1992: Cantiga do verso avesso. Engavetado por muitos anos por escolha própria, mas resgatado agora, o álbum tem participações do instrumentista Alain Pierre e do arranjador Jaques Morelenbaum. E para completar, Denise está lançando também o single Setembro Antigo.

“Meu amigo, o músico e arranjador de todos os meus álbuns, Alain Pierre Magalhães, iniciou a remasterização deles para colocá-los nas plataformas digitais. Nesse ínterim, compus a ‘balada pop renascença’ Setembro Antigo e, dessa forma, achamos que todo esse trabalho não poderia ficar sem divulgação”, observa Denise.

Pelos caminhos da América (1980) e Mapa das Horas (2004) são dois álbuns da cantora que também já se encontram nos canais de streaming. Até outubro, serão lançados ainda o LP de canções autorais Canto Lunar (1983) e o CD Cinco Movimentos e um Soneto (1995), com poemas de Ivan Junqueira musicados pela artista, que desde 2001 também é violoncelista da Orquestra Rio Camerata.

Escritora premiada

Atividade desempenhada em paralelo à da música, a literatura tem fascinado a poeta e lhe rendido diversos prêmios. Denise, que chegou a publicar em Portugal, tem livros traduzidos em inglês, espanhol, italiano e turco. Invenção para uma velha musa (1990), por exemplo, é uma obra que lhe rendeu dois importantes prêmios, o da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e o Prêmio Olavo Bilac da Academia Brasileira de Letras.

De acordo com a cantora, a literatura representa seu norte e sua casa.

“Publiquei 22 livros: 19 de poesia e três romances. Meus poemas têm sido publicados em antologias dos EUA, Espanha, Itália e Turquia. Durante a pandemia, terminei dois livros. Um de poesia, que pretendo publicar em 2022, e um romance que já adianto o título: O barulho do fim do mundo, que será publicado pela Editora Record em março de 2023”, revela Denise.

Assim que a pandemia permitir, a filha de Janete Clair pretende percorrer os palcos do país com um novo show.

“Está nos meus planos para o próximo ano fazer um show com algumas de minhas músicas, e, claro, entre elas Setembro Antigo”, conclui Emmer.

adblock ativo

Publicações relacionadas