adblock ativo

Pablo leva o romantismo do arrocha para o Arraiá Salvador

Publicado segunda-feira, 02 de junho de 2014 às 21:02 h | Atualizado em 02/06/2014, 21:30 | Autor: Marcos Dias
Pablo do Arrocha
Pablo do Arrocha -
adblock ativo

Quem gosta mesmo do período junino, como o cantor Pablo, sabe que lembranças da infância têm muito a ver com isso. "Na verdade, a época de festa que eu mais gosto é o São João", diz ele, que é a principal atração da primeira noite do Arraiá Salvador - O Arraiá da Capitá 2014, realização do Grupo A TARDE e da On Line Entretenimento, que começa nesta sexta-feira, 6, no Wet'n Wild.

Para ele, as festas juninas evocam a união das pessoas e a memória da mãe, dona Vera, já falecida, que se juntava aos vizinhos para enfeitar a rua e fazer fogueira na porta de casa. O pai, o seresteiro Agenor, com quem começou a cantar aos seis anos, preparava um repertório especial de forró.

E o figurino também fazia a festa ficar mais bonita: "Todo mundo se vestia de calça jeans, bota e chapéu de palha. Sempre fui apaixonado por roupa country e dançar forró", diz.

Mas no Arraiá Salvador, evento em que  já participa há várias edições, ele canta arrocha, estilo que o consagrou. No show, com novo cenário,  vai apresentar músicas que marcaram sua carreira com novos arranjos  e também novidades, como  Tá Tudo Terminado e Ai Que Gostoso.

Essas músicas fazem parte do novo CD,  intitulado É Só Dizer que Sim, que deve ser lançado ainda este mês pela Som Livre, com participações de Ivete Sangalo e Solange, da banda  Aviões do Forró.

Evidência

"O bacana do Arraiá é que o arrocha, com seu estilo romântico,  conseguiu conquistar o espaço. Independentemente da época e do evento, o arrocha é um estilo romântico e o público gosta", afirma Pablo, que no Carnaval também coloca um bloco de arrocha na Avenida. E arrasta a multidão.

Ele destaca que  o arrocha tem muito a ver com o Nordeste, sentimento potencializado neste período. "Acho que é por causa das serestas do interior de antigamente,  que têm muito aquele toque nordestino. Eu sempre abracei a seresta de interior e a música nordestina".

Mas são fronteiras que, ele sabe,  já se ampliaram. "Sempre digo que tenho  um privilégio muito grande e Deus colocou essa vitória na minha vida. Comecei do zero, não comecei cantando: vendia picolé, trabalhava na feira e depois segui esse caminho da música. Meu pai descobriu que eu cantava e me colocou para fazer barzinho com ele".

Depois que gravou o  CD Por Deus Eu Te Amo, com o grupo Asas Livres (que vai se apresentar na mesma noite),  não parou mais.  "Foi o pontapé para o que acontece hoje. As pessoas falavam 'arrocha', que é  dançar agarradinho; e ninguém dizia mais 'vamos pra seresta, mas vamos pro arrocha'. Hoje o arrocha está aí, conquistando o Brasil. O meu trabalho está sendo reconhecido a cada dia, em cada estado, é uma alegria muito grande".

Mas Pablo acha que ainda existe preconceito em relação ao gênero. "Muitos que disseram ser do estilo do arrocha  fizeram muita bagunça com a música, com baixo nível.  Mas aos poucos as pessoas estao tendo um conceito diferente e a gente vem conquistando nosso espaço".

adblock ativo

Publicações relacionadas