adblock ativo

Projeto traz releituras de músicas do rock baiano dos anos 90

BA090 traz cinco clipes reunindo membros originais e apreciadores da cena mais prolífica do rock local

Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2022 às 06:00 h | Atualizado em 09/01/2022, 13:34 | Autor: Chico Castro Jr.
Reaja, da Inkoma, tem o baterista original Thiago Trad (de azul) com a feroz rapaziada mais nova
Reaja, da Inkoma, tem o baterista original Thiago Trad (de azul) com a feroz rapaziada mais nova -
adblock ativo

Tem uma coisa engraçada sobre o rock baiano dos anos 1990. Com raras exceções, o grande público local e a mídia de massa simplesmente desconhecem sua existência. Não faz diferença que tenha sido a cena que revelou Pitty, por exemplo. Ninguém quer nem saber. (Nem que fosse para dar aquela esnobada e reafirmar a velha ladainha que não tem rock na Bahia – ainda que um certo Raul discordasse disto desde os anos 1960).

Não causa estranheza, portanto, que volta e meia, membros da geração que viveu aqueles anos belos e ferozes se sintam na obrigação de relembrar – e homenagear – as bandas e artistas daquela cena.

A iniciativa é do baiano Eduardo Lubisco, professor de inglês residente em Madri já há alguns anos. Em seu projeto BA090, músicos daquela geração se juntaram a outros, mais novos, para regravar cinco faixas marcantes de bandas do período. “A ideia surgiu na pandemia, mas foi fruto de uma lembrança e uma observação”, conta Lubisco.

“Lembrei de uma conversa com Ronei Jorge, no início do século, quando era roadie dele. Na época, comentei que havia um documentário sobre a Úteros em Fúria (de um tal Chico aí), um sobre os Dead Biliies (de Alexandre Xanxa Guena), mas não havia um sobre a cena dos anos 1990 como um todo. Durante a pandemia, Lali, minha esposa que é cantora, fez algumas colaborações como músicos de SSA e percebi que era possível conseguir um resultado de qualidade, a despeito da distância”, acrescenta.

BA 090
 

Os áudios foram transformados em cinco videoclipes, já disponíveis no YouTube. Foram regravados cinco – por assim dizer – hits da época: Inside The Beer Bottle (da banda Úteros em Fúria), Nicarágua (da Doutor Cascadura), O Circo (uma dupla homenagem: ao autor Ronei Jorge e à banda Penélope, que a gravou), Reaja (da Inkoma, banda que revelou Pitty) e Colé Merma, da banda Lisergia. “(A seleção foi) Completamente afetiva. O critério sempre foi o que eu gostava à época, os shows que eu assistia... o critério mais objetivo, se existe objetividade, foi escutar e arrepiar”, diz.

Cada faixa traz na execução tanto membros originais, quanto convidados especiais. Alguns muito especiais, como em Inside The Beer..., que além do guitarrista Luis Fernando Apú Tude, traz na bateria Antônio Tom Gutman, filho do baterista original Mário Jorge Heine – e mais Joe Gomes (baixista da The Dead Billies, outra banda fundamental da época) e Cândido Soto, guitarrista da Cascadura (e também da Úteros em seus shows comemorativos em anos recentes).

Já O Circo traz o próprio Ronei Jorge dividindo os vocais com Lorenight (banda Herbert Richers), mais o já citado Mario Jorge, que além da Úteros, também foi baterista da Penélope. Colé Merma conta com os vocais inspirados do Irmão Carlos Psicofunk, com o baterista original Duda Machado (depois de Pitty) marcando o tempo e a presença.

Auto-homenagem, e daí?

Para quem viveu aquela época, é bonito de se ver tantas pessoas se juntando para homenagear aquelas bandas e canções tão marcantes. Dane-se o fato de que há um pouco de auto-homenagem envolvida, já que alguns dos músicos originais participam dessas regravações. Sobre isso, dois fatos. Primeiro: A iniciativa de convida-los foi do próprio Lubisco. “O primeiro passo foi sempre entrar em contato com algum integrante original da banda, por cuidado, respeito e deferência. A partir daí, os outros músicos foram escolhidos coletivamente, através de sugestões”, conta o idealizador.

Em Nicarágua, Fábio Cascadura faz dueto com Janah Ferreira
Em Nicarágua, Fábio Cascadura faz dueto com Janah Ferreira |  Foto: Ricardo Prado | Divulgação
  

Segundo: como já foi dito lá no primeiro parágrafo, essa cena é deliberadamente ignorada fora do seu próprio meio. Portanto, se os próprios membros dessa geração não chamarem atenção para ela, ninguém o fará.

Há um terceiro fator. Até hoje quem viveu aquela cena tenta entender que furacão foi aquele. “No final das contas, talvez esse projeto possibilite outros grupos, que não sejam somente nós, um bando de velho saudoso, ter contato e eventualmente entender a importância daquela década. Eram muitas bandas, muitos shows, muito público, muita diversidade”, conclui Lubisco.

E se preparem, porque essa ideia não morre tão cedo. Nas próximas levas, Lubisco promete faixas da Dois Sapos & Meio, Saci Tric, Shes, Dead Easy, Dead Billies, brincando de deus, Álvaro Assmar e Meio-Homem.

BA 090
  
adblock ativo

Publicações relacionadas