“Quando estou no trio, não existe distinção na massa”, diz Claudia Leitte

Publicado sábado, 04 de dezembro de 2021 às 06:06 h | Atualizado em 03/12/2021, 22:27 | Autor: Victor Hernandes*

A nova temporada do programa The Voice Brasil está sendo de muito entusiasmo para a cantora Claudia Leitte. Técnica da 10ª edição do programa musical, ela conta das experiências que têm vivenciado na atração, e também da relação com o talento dos participantes baianos, que fazem parte da edição.

Em seu atual momento, além de participar do reality, a artista tem muitas novidades e planos para sua carreira. Novos projetos, trabalhos e reencontros com seus fãs e admiradores.

Cheia de esperança e expectativas, a cantora se diz muito animada para celebrar momentos importantes de sua trajetória.

Nesta entrevista exclusiva ao jornal A TARDE, Cláudia fala também sobre a comemoração dos seus vinte anos de carreira e sobre o seu último lançamento. Confira agora.

Como estão sendo as gravações do The Voice deste ano? Quais são suas expectativas para esta nova temporada?

Rapaz… tem sido um turbilhão de emoções. Eu estava à flor da pele de uma forma absurda no primeiro dia de gravação, pois foi muito importante (e doido!, risos) pra mim ter contato com tudo aquilo mais uma vez, em um tempo tão doido como o da pandemia. Depois de tantas temporadas juntos, nós nos consideramos uma grande família. É clichê, mas é fato! Então, o clima é muito descontraído, com muitas risadas, afeto e muita emoção também. A disputa está acirrada. Os candidatos vieram mais preparados do que nunca! Já deu para perceber, né?! A minha expectativa é que o público sinta toda essa energia e se encante com as vozes que passam por aquele palco.

Depois de participar de todas estas temporadas do programa, como que você chega para essa atual edição?

Preparada para levar o prêmio para casa (risos)! Ai, eu chego extremamente honrada em fazer parte de um projeto dessa magnitude. O The Voice tem uma importância muito grande para a música brasileira e ser parte disso é muito gratificante. Não tem preço!

Quais experiências, lições e aprendizados que você tirou após participar tanto do The Voice Kids, quanto do The Voice + e do The Voice “clássico”? Como foi esse desafio, contato e troca com as crianças, idosos e pessoas de diferentes idades?

Isso tudo me fez perceber certa habilidade em me comunicar com todos os tipos de público para além da música, que é o caminho mais natural pra mim. Eu sou uma cantora com raízes no carnaval, uma festa do povo, para o povo, onde a diversidade é a responsável pela beleza de tudo. Quando estou no trio não existe distinção nenhuma na massa. Não importa a cor, quantos zeros tem a sua conta bancária, qual a marca da sua roupa, seu peso, seu tamanho, seu gênero, sua idade... ali é lugar pra ser feliz. Com toda essa análise praticamente de vidas passadas que fiz agora (risos), vejo que passar por todos esses formatos me fez ter contato com todo mundo que vejo nas ruas em fevereiro, nos meus shows durante o ano todo, de forma diferente. E isso é lindo e gratificante! Tudo me leva a crer que essas experiências me favorecem muito como artista e também como ser humano. Hoje, sou muito mais consciente da importância do apoio aos novos artistas, em especial, e em como isso é importante para a cultura do nosso país. Sentada ali na cadeira eu busco ser justa, fazer a escolha correta, ser doce com as palavras, porque acho que é o que precisamos compartilhar com quem vemos que está em busca do seu sonho: incentivo. Acho que isso é primordial, independente da idade.

Quais maiores desafios que você enfrenta para conciliar sua carreira musical, vida familiar e a participação no elenco do The Voice?

Tudo vem muito bem conciliado há um bom tempo, graças a Deus. Com essa volta, devido ao avanço da vacinação e queda nos casos de COVID, algumas coisas vêm sendo bem desafiadoras, mas com organização e algumas horas a menos de sono a gente faz tudo dar certo (risos).

Mais uma vez muitos cantores baianos estão fazendo parte da edição do The Voice. De que forma está sendo seu contato com eles? Novos talentos e revelações podem chegar na música baiana?

Com toda certeza! Podem esperar que novos talentos irão surgir sim. A Bahia é sempre um berço de novos talentos, cultura e transborda a cara do Brasil. Isso é fato! Nossos encontros sempre resultam em muita troca. Minha bagagem me permite passar muito conhecimento para eles, assim como meu padrinho e também técnico, Brown, mas eles também me ensinam muito, porque cada um deles é único, assim como nossa Bahia.

Quais mensagens que você pretende transmitir ao longo de sua participação no The Voice deste ano? Como que o Time Claudia Leitte vai chegar para as próximas apresentações do programa?

Estamos em tempo de uma nova chance, vamos correr atrás dos nossos sonhos AGORA! Eles são possíveis. As dificuldades existem, é óbvio. Porém, com fé, sabedoria e determinação, podem ser superadas. Não é por nada não… mas, rapaz, meu time está prontíssimo para vencer esse jogo. E é isso! Sem spoilers! Tô competitiva! (risos)

Com o passar do tempo, você deixou de ser uma cantora voltada somente para o carnaval de Salvador e se consolidou na indústria fonográfica brasileira no contexto geral. É jurada de reality musical, participa de programas, tem singles, gravações e participações com artistas de diversos gêneros musicais, dentre muitas outras atividades. Como que você enxerga essa questão? Foi algo que você sempre desejou?

Fusão sempre foi palavra de ordem pra mim, desde quando eu fazia meus shows nos barzinhos de Salvador. Sempre quis ser uma cantora e ponto. Cantora. Sei das minhas raízes, valorizo minha essência e isso me impulsiona para nunca me limitar… muito pelo contrário! Me impulsionar e dar segurança para ousar. Me sinto muito grata e abençoada de poder fazer o que amo. O meio da música não é fácil, é uma batalha diária, que precisa de renovação. No meu último lançamento, Samba Lento, usei o mito da águia como inspiração, e tenho muito comigo que isso é algo que ando fazendo ao longo dos anos. Muitas vezes nós precisamos usar toda a nossa força para arrancar nossas próprias penas, para que novas cresçam em seu lugar. Isso é sobre estar buscando uma melhor versão de si constantemente… e eu tenho plena consciência de que só estou começando.

Quais suas expectativas para a retomada musical de shows e eventos aqui no Brasil? O que você vai transmitir ao público em suas apresentações?

Nós, do entretenimento e cultura, esperamos muito por esse momento, né?! Então, estamos colocando todas as nossas energias nesta retomada, sempre de forma segura, seguindo os protocolos de segurança. Queremos fazer isso com saúde! Quero que seja um momento de muita alegria, de celebração à vida e divertimento. Estamos voltando aos poucos, mas cada show feito, cada palco que subo, é um sentimento de gratidão imenso, apesar de ainda ser necessário evidenciar e alertar: tome vacina, meu povo!

Quais os projetos e trabalhos futuros que você pretende lançar para o ano de 2022?

Tô contando os dias para poder falar tudo sobre isso, mas a celebração dos meus 20 anos de carreira, certamente, será meu foco. Quero, sim, festejar tudo aquilo que conquistei ao longo dessas duas décadas, como o carinho dos meus fãs, tudo aquilo que já vivemos juntos e ainda o que vamos viver. Mais do que celebrar o passado, vou apontar para frente e mostrar um pouco do que pretendo construir no futuro. Eu encerro esse ano com um lançamento que prepara o terreno pra esse grande projeto chegar! Eita!

De que forma você pensa que pode colaborar com a música e cultura da Bahia e do Brasil no próximo ano?

Como baiana que sou, acho muito importante que tenhamos na cultura atual oportunidades, brechas, referências, para que a galera jovem conheça a história da nossa música, especificamente falando, e ela sempre permaneça viva. Minha fonte, por exemplo, é a Bahia e falo orgulhosamente disso desde que dei minha primeira entrevista – não apenas por ser a minha terra, mas também por ser o nascedouro do que muitos outros têm como raiz. Isso é lindo e muito valioso! Gosto de falar de essência, pois quando sabemos qual é a nossa, não importa onde quer que estejamos, o lugar que alcancemos, a língua falada, a mistura que podemos fazer, sempre haverá algo único, precioso e incomparável ali. Encontrar sua essência e ter consciência disso é perpetuar o trabalho de uma galera honrosa que abriu espaço para estar onde estamos. Para além, obviamente, do carnaval – que os órgãos governamentais ainda estudam a respeito da viabilidade de ser executado com segurança, meu 2022 carrega projetos que serão, também, um convite à celebração dos meus 20 anos de carreira e de toda essa riqueza musical, que forma o nosso país um dos mais abundantes em cultura.

Quais são suas expectativas para o próximo carnaval? Acredita que vai acontecer o carnaval de Salvador? Você pensa em participar do carnaval de 2022 na Bahia, caso realmente aconteça?

Tenho altas expectativas, mas, assim como todos, estamos aguardando tudo acontecer no tempo certo e ser informado pelos órgãos responsáveis. Eu e minha equipe já tínhamos esse carnaval desenhado desde o começo de 2021. Estamos prontos para o que der e vier! (risos)

O seu projeto “Prainha da Claudinha”, você pensa em trazer também para a Bahia? Se sim já tem data planejada, cidades baianas que vão receber o evento, turnê com o projeto e mais outras novidades a respeito?

Com toda certeza! (risos) Acho que é um dos meus projetos favoritos da vida! Já realizamos diversas edições dele, inclusive na Bahia, mas é sempre uma surpresa, pois o repertório é muito vivo. A última edição que fiz há algumas semanas foi em Fernando de Noronha e foi um sonho! Nesse show eu tive alguns insights importantes pra nortear as atualizações dessa turnê de shows que amo em 2022.

Caso realmente tenha carnaval 2022 e você participe, já tem temas escolhidos e agendas para o evento? Se sim, quais serão?

T U D O! Juro! Eu e minha equipe deixamos o carnaval planejado com um ano de antecedência. Sempre! Eu amo trabalhar temas, personalizar trio, pensar nos abadás, o que farei de diferente, ensaio fotográfico, as performances, cada detalhe… não tem como fazer nada disso sem planejamento de longo prazo, então já tenho tudo MESMO! Eu amo essa criação e ousadia, mas também sou boa em não dar spoiler nenhum, então vou parar por aqui. (risos)

No próximo mês, em dezembro, você será uma das atrações da micareta da cidade de Natal no Rio Grande do Norte, o Carnatal. O que o público pode esperar de sua participação na edição do evento deste ano? E você, como está à preparação para voltar a cantar em cima de um trio elétrico depois de quase dois anos

Amo a ansiedade do pré-show, os ensaios com a banda, a vontade de ver todo mundo ali, pertinho, ao vivo. Estava com saudade disso! Estou muito ansiosa para esse momento. Fiz questão de cuidar de cada detalhe e o Carnatal é sempre o lugar que mostro um pouquiiiiinho do que tô preparando pro carnaval, para o próximo ano como um todo.

Qual o recado que você deixa para todo o público que anseia em te ver em cima dos palcos nos próximos meses?

Vacinem-se. Ainda precisamos tomar alguns cuidados como o uso de máscara e continuar fazendo o que for necessário. Estamos juntos nessa, nesse mesmo sentimento que agora é bem mais otimista, mas não vamos relaxar. E… fiquem de olho nas minhas redes e aqui no A TARDE pra saber das novidades, porque 2022 tá chegando e a celebrar o dobro, triplo e mais um pouco (risos). O beijo!

*Sob supervisão do editor Chico Castro Jr.

Publicações relacionadas