43% dos brasileiros planejam fazer investimentos este ano | A TARDE
Atarde > Economia

43% dos brasileiros planejam fazer investimentos este ano

Primeiros passos de quem aposta no mundo das aplicações financeiras podem determinar o sucesso ou não

Publicado segunda-feira, 19 de fevereiro de 2024 às 06:10 h | Autor: Mariana Bamberg
Imagem ilustrativa da imagem 43% dos brasileiros planejam fazer investimentos este ano
-

Há quem defenda que o ano só começa mesmo após o Carnaval. Com isso, as metas e planos são deixados para o período pós-folia e, se tem um objetivo principal entre os brasileiros para 2024, é ganhar mais dinheiro. Uma pesquisa realizada pela empresa Ipsos apontou que 43% das pessoas querem guardar mais recursos e fazer investimentos. Mas, para quem ainda não conhece o mundo dos investimentos, os primeiros passos podem determinar o sucesso ou não dessas metas.

O assistente de comunicação Wesley Cerqueira, por exemplo, já decidiu que precisa investir para aumentar sua renda. O problema para ele, no entanto, é que ainda não faz ideia de qual tipo de investimento fazer. Até agora, o máximo que ele chegou foi na poupança, mas o rendimento não tem lhe agradado.

O economista Bruno Mota explica que a poupança, de fato, é o investimento mais comum no país, isso porque ela existe desde 1860. “Já o mercado financeiro é pouco conhecido e publicizado, gerava desconfiança e não era atrativo. Mas isso vem sendo alterado desde 2019, quando, em comparação ao ano anterior, houve um salto de 164% no número de investidores, isso significa que naquele ano 700 mil investidores entraram na Bolsa de Valores”, conta.

Ainda assim, o economista é taxativo: o que vai influenciar na escolha do tipo de investimento é o grau de risco que a pessoa aceita correr e o momento da economia. Wesley, por exemplo, revela que tem um perfil mais receoso e menos arrojado. “Gosto de ter segurança, de saber mais ou menos quanto será meu rendimento e de não correr o risco de perder o pouco que já tinha. Sou conservador neste sentido, mas acredito que isso é também porque ainda estou começando”, afirma.

Para perfis como o de Wesley, que está começando, e em um momento em que a taxa Selic tráfega em 11,25% ao ano – em alta mesmo após os consecutivos cortes –, o economista avalia que o melhor tipo de investimento é o de renda fixa, aquele que tem um retorno já pré-fixado ou um indexador, que pode ser a própria Selic, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ou o CDI (Certificado de Depósito Interbancário). Essa modalidade é conhecida, lembra o economista, justamente por sua maior previsibilidade e menores riscos.

“Também pode render mais que a poupança, valorizando seu dinheiro, mas vale a pena investir pouco na renda variável e aprender aos poucos”, orienta o economista. A dica dele, para quem está começando, é ter uma carteira equilibrada entre as modalidades: investir parte na renda variável (ações) e a maior fatia na renda fixa. “Pode ser: Tesouro Direto, CDBs, debêntures, Fundos de Renda Fixa, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs, mas para começar Tesouro direto, como aprendizado”, aconselha.

Mota pontua ainda que é preciso quebrar o paradigma de que investir é coisa para rico. Mas isso deve ser feito, alerta ele, conhecendo pelo menos um pouco do funcionamento do mercado financeiro e investindo quantias que não façam falta imediata ou impeçam quitar um débito. “Invista pouco todo mês e siga conhecendo através de fontes formais”, alerta.

É o que vem buscando fazer Wesley. Ele tem usado plataformas como o Youtube e o Instagram para aprender mais sobre as possibilidades de investimento. A orientação do especialista é acompanhar os canais de comunicação oficiais da Bolsa de Valores Brasileira e da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Além disso, ele acredita que vale a pena escolher um dos bancos digitais que já oferecem a possibilidade de ter uma conta bancária e a possibilidade de investir. O ideal, segundo o economista, é deixar essa conta apenas para investir e ir observando o comportamento dela.

“Nas redes sociais há inúmeras pessoas dando opiniões e sugerindo uma certa agressividade nos investimentos, bem como prometendo altos ganhos financeiros, não caia nessa, amadureça e conheça o funcionamento. Comece com R$ 50 ou R$ 100 todo mês se for possível e não lhe atrapalhe a cumprir seus compromissos financeiros. No longo prazo, terá aprendido e terá um pequeno capital”, opina

Reserva de emergência

Mas, antes de separar o valor a ser investido, alguns passos podem tornar esse processo mais tranquilo. Quem elenca eles é o assessor de investimentos Diego Santana. Conforme o especialista, a primeira etapa é entender o próprio orçamento e formar uma reserva de emergência.

A gente sempre gosta de trazer esse conceito para que as pessoas pensem na formação dessa reserva de emergência porque vai ser algo extremamente importante caso efetivamente alguma emergência aconteça e você tenha de onde tirar esse recurso para cobrir esse tipo de emergência.

Esses primeiros passos vão ajudar, segundo Santana, a se manter firme nesse processo de acúmulo de investimento, que, lembra o assessor financeiro, é a médio e longo prazo. “Se a pessoa está fazendo um investimento para daqui a dois, três, quatro ou dez anos e acontecer algum tipo de problema, uma emergência ou oportunidade, ela vai acabar necessitando de uma retirada inercial. Então onde é que eu vou tirar se eu não tiver efetivamente o fluxo de caixa estabilizado?”, explica Santana.

Outro passo importante elencado pelo especialista é definir um objetivo. Isso Wesley já fez. Ele pretende contribuir para a entrada de seu apartamento. Mas as metas não precisam ser necessariamente algo concreto, esclarece Santana.

“Ter um objetivo para o recurso de médio e longo prazo, principalmente, é essencial para você conseguir se manter nessa fase de acumulação, na fase de construção desse patrimônio. Então, essa definição pode ser tanto uma definição tangível, que é a realização de alguns sonhos, como o atingimento também da independência financeira. Por exemplo, a partir do momento que a pessoa vê a possibilidade de na aposentadoria não depender do trabalho, porque os investimentos conseguem pagar as despesas”, afirma.

Segundo o assessor financeiro, a falta de planejamento e pressa por resultados pode ser um dos principais desafios enfrentados por quem está iniciando no mundo dos investimentos. Ele alerta que é necessário respeitar o prazo para que as coisas aconteçam.

“A gente está vivendo, efetivamente, numa sociedade em que as pessoas querem, cada vez mais, retornos mais rápidos e buscam isso através de soluções que a gente já está vendo que não são vencedoras, como aplicativos de aposta, de investimento, algo que vem trazendo um nível de perda patrimonial muito grande para diversos investidores”, alerta.

Publicações relacionadas