Associação Baiana dos Produtores de Algodão premia reportagens sobre cotonicultura

Publicado segunda-feira, 25 de novembro de 2019 às 21:35 h | Atualizado em 21/01/2021, 00:00 | Autor: Bianca Carneiro*

Com o objetivo de dar visibilidade à produção de algodão na Bahia, considerada a segunda maior do Brasil, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) realizou na noite desta segunda-feira, 25, a I Edição do Prêmio Abapa de Jornalismo. A cerimônia ocorreu na União dos Municípios da Bahia (UPB), em Salvador, e reuniu, além da imprensa, diversos nomes da área de agricultura baiana.

Baseado em um modelo executado pela Associação Brasileira do Agronegócio de Ribeirão Preto, São Paulo, a iniciativa foi dividida em duas categorias principais: a Profissional, na qual jornalistas já formados concorriam com reportagens veiculadas em diversas mídias, e a de Jovem Talento, formada por estudantes de jornalismo pertencentes a cinco diferentes faculdades da capital baiana. Para o vencedor da categoria de profissional, o prêmio, é de R$ 10 mil, já o primeiro, segundo e terceiro lugares na categoria de Jovem Talento levam, respectivamente, R$ 3, R$ 2 e R$ 1 mil.

Ansiosa pelo anúncio dos ganhadores da categoria de Jovem Talento, a estudante Valéria Pereira, 21, conta que foi a primeira vez estudando a área. Ela, assim como seus colegas de turma e os demais alunos das faculdades inscritos no projeto, participaram de uma experiência imersiva no oeste baiano para conhecer a atividade de produção de algodão, a cotonicultura.

“Nós conhecemos todo o ciclo do algodão para podermos criar as nossas matérias. Foi a primeira vez que tive contato com esse tipo de assunto. A partir da cotonicultura, comecei a perceber a agricultura de uma forma diferente, principalmente no que diz respeito à biotecnologia, que foi o enfoque da minha matéria", disse.

Em meio as palmas e expectativa dos alunos que lotaram o auditório, a grande vencedora da noite na categoria de estudantes foi Ana Carolina Cerqueira com a matéria "De commodities à realização de sonhos".

Imagem ilustrativa da imagem Associação Baiana dos Produtores de Algodão premia reportagens sobre cotonicultura
Ansiosa pela premiação, a estudante Valéria Pereira (ao centro) foi acompanhada da colega Karen Rayane e da sua mãe, Cristina (à esq.)

Busca por reconhecimento

Segundo o presidente da Abapa, Júlio Cézar Busato, a premiação é uma forma de chamar a atenção da mídia para discutir sobre uma das maiores fontes de renda do estado. 

"Eu acho que esse prêmio é o reconhecimento que, não só a Abapa, mas todo o setor agrícola baiano está dando à imprensa  pela importância que ela tem na divulgação do que estamos fazendo. Hoje, a produção de algodão é a segunda maior do Brasil. O oeste da Bahia produz 5% dos grãos e fibras do país de uma forma sustentável onde conseguimos preservar e fazer também. Essa informação é o que o agricultor brasileiro gostaria de ver na mídia", afirmou.

Representando o governador da Bahia, o secretário da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura (Seagri), Lucas Costa, adiantou que está o governo pretende estender iniciativas como essa à outras culturas.

"A ideia é fazer cada vez mais prêmios ligados a agricultura. No ano que vem já queremos lançar um para o café baiano e um para o cacau, que também precisa ser fomentado muito na Bahia. Outra situação é a criação do Selo Bahia, já que temos produtos de excelente qualidade, assim como o algodão", destacou.

*Sob supervisão da editora Keyla Pereira

Publicações relacionadas