Atividade econômica recua 0,44% em abril, segundo Banco Central

Espécie de prévia do PIB, IBC-Br subiu 1,09% em março

Publicado quinta-feira, 07 de julho de 2022 às 18:57 h | Atualizado em 07/07/2022, 18:57 | Autor: Agência Brasil
Por causa da greve dos servidores do Banco Central (BC), o IBC-Br ficou dois meses sem ser publicado
Por causa da greve dos servidores do Banco Central (BC), o IBC-Br ficou dois meses sem ser publicado -

Indicador considerado como prévia do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) recuou 0,44% em abril na comparação com o mês anterior. Em março, o indicador registrou alta de 1,09%.

A comparação entre março e abril é dessazonalizada. Esse critério desconsidera diferenças de feriados e de oscilações da atividade econômica, típicas de determinadas épocas do ano.

Apesar da queda mensal, o IBC-Br subiu 2,23% em relação a abril do ano passado. Em 12 meses, o IBC-Br acumula alta de 3,46%. Na média móvel trimestral, indicador usado para captar tendências, o IBC-Br teve alta de 0,45% de fevereiro a abril, em relação ao período de janeiro a março.

Por causa da greve dos servidores do Banco Central (BC), o IBC-Br ficou dois meses sem ser publicado. Com o fim do movimento, na terça-feira (5), a estatística foi normalizada. O IBC-Br é divulgado com defasagem de pouco mais de dois meses. Dessa forma, o indicador mais atualizado é o de abril.

Apesar de ser considerado uma prévia da atividade econômica, o IBC-Br tem metodologia diferente dos números oficiais do PIB calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). O Banco Central baseia-se em pesquisas setoriais (comércio, indústria, serviços) divulgada pelo IBGE para atualizar o IBC-Br a cada mês. O PIB é divulgado a cada três meses, considerando dados de produção, de renda e de consumo para toda a economia.

Publicações relacionadas