Avibras, empresa bélica do Brasil, será vendida para rival australiana | A TARDE
Atarde > Economia

Avibras, empresa bélica do Brasil, será vendida para rival australiana

Em crise, fabricante de aeronaves militares deve se fundir à australiana DefendTex

Publicado quarta-feira, 03 de abril de 2024 às 20:38 h | Atualizado em 03/04/2024, 20:40 | Autor: Da Redação
Avibras afirma que vem enfrentando dificuldades para manter operação no Brasil
Avibras afirma que vem enfrentando dificuldades para manter operação no Brasil -

A Avibras Indústria Aeroespacial, empresa brasileira de produtos bélicos, anunciou, na terça-feira, 2, que mantém tratativas avançadas para ser adquirida pela australiana Defendtex. A empresa australiana atua no mesmo setor.

Avibras tem enfrentado dificuldades para manter os negócios no Brasil. Ela projeta, desenvolve e fabrica produtos e serviços de defesa. Entre os produtos, estão sistemas de artilharia e defesa de aeronaves, foguetes e mísseis, incluindo sistemas de foguetes de artilharias, mísseis guiados multifunção de fibra óptica. As  unidades fabris ainda produzem veículos blindados.

Com relação ao processo de venda, a companhia brasileira diz que ambas as empresas estão empenhadas para finalizar os termos e condições específicas do investimento. Os valores envolvidos na negociação ainda não foram informados.

A Avibras foi uma das primeiras indústrias aeroespaciais surgidas na região de São José dos Campos, em São Paulo. Ela foi criada em abril de 1961 por Olympio Sambatti, ao lado de José Carlos de Sousa Reis, Aloysio Figueiredo e João Verdi de Carvalho Leite, todos engenheiros recém-formados pelo ITA.

Sindicato contra

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região anunciou que é contra a a aquisição da empresa brasileira bélica pela companhia australiana.

“Independentemente da mudança na direção da empresa, o Sindicato seguirá mobilizando os metalúrgicos pela completa regularização da situação, bem como pela estatização da Avibras sob controle dos trabalhadores. [...] Enquanto diversos países investem pesadamente no setor de Defesa, o Brasil e a sua classe dirigente assistem e compactuam com a entrega de sua mais importante empresa do segmento a um grupo internacional", diz nota do sindicato.

Publicações relacionadas