adblock ativo

Bancos financiam despesas de início de ano

Publicado sexta-feira, 08 de janeiro de 2010 às 22:12 h | Atualizado em 08/01/2010, 22:17 | Autor: Luciana Rebouças l A TARDE
adblock ativo

Para os consumidores que se endividaram no fim do ano e não conseguem arcar com as altas despesas do início de 2010, como IPVA, IPTU e a matrícula escolar, especialistas em finanças recomendam o uso de uma linha de crédito, com foco nestas despesas, já que os juros são menores. Dentre as taxas oferecidas pelo mercado, há uma variação de juros de 2,19% até  4,5% ao mês, e cabe aos clientes pesquisarem para adquirir o empréstimo menos oneroso.

Para Miguel José de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), o salário de muitas pessoas é insuficiente para pagar tantas despesas em um mesmo período e é melhor recorrer ao empréstimo  do que pagar multas e juros por atraso. “Estas linhas saem mais baratas do que um empréstimo pessoal, com juros de pelo menos 5% ao mês, ou mesmo o cheque especial, que chegam a 10%”, acrescenta Oliveira.

Apesar de ser uma saída para os mais comprometidos financeiramente, Oliveira reforça que o ideal teria sido guardar parte do 13° salário para estes pagamentos. O especialista ainda lembra os cuidados co m os prazos: “Prazos muito longos têm a vantagem de uma prestação que cabe no bolso, mas também deixa o financiamento mais caro”, orienta Oliveira.

Prazo longo - Na tentativa de atrair mais clientes que possam adequar o financiamento às prestações mais baixas, o Banco do Brasil estendeu o prazo do BB Crediário Pagamentos Diversos de 48 para 60 meses.

Marcelo Moraes Seder, gerente geral da agência Estilo do BB, diz que esta também é uma oportunidade de os clientes contratarem com juros mais baixos, que variam de 2,25% até 2,95% ao mês, e antes estavam por volta dos 3%. “Queremos propiciar condições melhores para nossos clientes de todas as faixas de renda. E adequar as prestações a sua capacidade de pagamento”, diz. O limite máximo foi ampliado, passando de R$ 20 mil para R$ 50 mil.

Raimundo Torres, professor de Economia e Negócios Internacionais da Unifacs, lembra que apenas 30% do salário deve ser comprometido com um financiamento deste tipo. “É bom se informar antes nos bancos sobre todas as obrigações que terá de cumprir. Há as taxas de juros, taxas de abertura de crédito, e podem haver outros serviços bancários”.

O Bradesco informou por meio de sua assessoria que: “O cliente poderá escolher a data de vencimento da primeira parcela para até 59 dias após a contratação”. Além de poder “pagar os tributos à vista, beneficiando-se dos descontos previstos, e financiar o valor  com o Bradesco”.

O Santander informou: “Nos empréstimos com prazo de até um ano, o Banco Real oferece o Real Parcelado, que divide o valor do cheque em até 12 meses, com taxa a partir de 4,5% a.m. Outra opção, para o Real e para o Santander, é o crédito pessoal, com taxa a partir de 2,19% a.m.

adblock ativo

Publicações relacionadas