Médico veterinário explica os comportamentos mais famosos dos gatos

Conheça mais sobre as características que tornam esses pets ainda mais fofos

Publicado sexta-feira, 08 de julho de 2022 às 15:20 h | Atualizado em 08/07/2022, 15:20 | Autor: Educa Mais Brasil

Vira-latas, pretos, brancos, frajolas, tipo Garfield, persas, siameses... não há quem resista a um vídeo fofinho ou de traquinagem desses bichanos nas redes sociais sem ao menos curtir. “Gateiro” ou não, esses felinos conquistam fácil o coração das pessoas. No mundo, a estimativa é de que existam cerca de 500 milhões de gatos, sendo o Brasil o país com a quarta maior população desses animais com cerca de 12,4 milhões, segundo levantamento do site australiano Pet Secure.

A versão desses animais que conhecemos hoje e que moram tranquilamente em nossas casas descende de um mamífero predador chamado miacis, que habitou nosso planeta durante o Período Paleoceno, há cerca de 55 milhões de anos. Acredita-se que a domesticação desses bichos deve ter se iniciado por volta de 10 mil anos atrás, na região do atual Oriente Médio.

Na antiguidade eles eram cercados de estigmas e mistérios como no Egito Antigo, por exemplo, quando os gatinhos eram adorados e considerados animais que traziam sorte. Bastet, a deusa egípcia da fertilidade, da reprodução, da música, da dança e do amor era representada com um cetro e uma cabeça de gato. Na época, quando o bichano de um faraó falecia era mumificado e enterrado junto ao dono nos famosos sarcófagos, para que continuasse trazendo sorte após a morte dos soberanos.

Passados todos esses anos, e apesar de seguirem sendo adoráveis, esses bichos também carregam alguns estigmas, como ressalta o médico veterinário e coordenador do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, Ronaldo Argôlo Filho. “Isso ocorre porque possuem um comportamento mais independente e terem sido associados a aspectos negativos, principalmente quando se trata da pelagem preta. Entretanto, mesmo cercado de estereótipos, eles podem ser muito carinhosos e demonstrar afeto pelos tutores, ainda que muitas pessoas os considerem animais hostis”, opina. Abaixo, Ronaldo elenca seis curiosidades que toda pessoa que ama gatos precisa saber.

Lambidas e mais lambidas

Uma das características mais marcantes e que faz dos gatos animais extremamente higiênicos são as lambidas – lambem inclusive outros gatos que moram na casa. Eles passam boa parte do tempo em que estão acordados se lambendo, e podem vomitar as famosas bolas de pelo até quatro vezes por mês, o que é considerado normal.

“Esse hábito faz com que os felinos se mantenham limpos, por isso não é indicado dar banho, a menos que haja alguma recomendação do médico veterinário. As lambidas representam a higienização do próprio corpo, retirando qualquer tipo de odor”, diz Argôlo.

Por que comem tanto?

Quem é tutor de gato sabe que eles amam comer e costumam dividir sua rotina entre dormir, se lamber e se alimentar. Mas apesar de ser um comportamento normal, o hábito de comer várias vezes durante o dia pode indicar algum problema.

“O tutor deve oferecer alimento ao animal duas vezes por dia; pela manhã e à noite é o suficiente. Alguns gatos, porém, por estresse, falta de espaço ou interação, podem desenvolver compulsão alimentar. Mas com orientação do médico veterinário e ofertando os alimentos corretos para sanar as necessidades nutricionais, é possível regular a alimentação sem que o felino coma em excesso, evitando o sobrepeso”, finaliza.

Por que escondem as fezes?

Os especialistas ainda não chegaram a uma conclusão sobre essa pergunta, mas é bem possível que seja um comportamento que carregam desde que eram selvagens, antes da domesticação. “Enterrar as fezes é uma prática desde o período em que os felinos eram animais silvestres e servia para protegê-los de predadores. A partir do momento em que ocultavam seus dejetos, o odor não exalava, o que não atraía outros animais”, afirma.

Por que dormem tanto?

Assim como o hábito de esconder as fezes, o hábito de dormir durante o dia e de caçar durante a noite vem da época em que eram selvagens. “É natural observar que eles ficam mais ativos durante a noite. Apesar de domesticados, eles têm rotina ‘predatória’ noturna e podem dormir por até 16 horas durante o dia”, acrescenta.

Especialistas em “amassar pães”

Os gatos filhotes “afofam” ou “amassam o pãozinho” (um movimento de vai e vem com as patas dianteiras) na barriga da mãe, como forma de dizer que estão com fome ou que querem dormir. “Considerado um comportamento dos filhotes, muitos gatos adultos mantêm este comportamento. Isso geralmente significa que eles gostam da pessoa para quem apresentam esta reação; é uma demonstração de afeto”, explica o coordenador.

Será que engoliram um motorzinho?

Aquele “barulho de motorzinho” quer dizer que o felino está em um momento relaxado, ou que gosta do dono. O ronronar acontece sempre quando eles estão dormindo, e o som é provocado pela contração e dilatação da glote, na região da laringe, que, ao se movimentar, produz o barulho. “É importante observar o som. Se o ronronar for muito alto, pode significar que o gatinho está estressado”, aponta o veterinário.

Publicações relacionadas