adblock ativo

Pesquisa com 2 mil alunos aponta aceitação do Novo Ensino Médio

Publicado às | Atualizado em 27/10/2021, 23:25 | Autor: Jade Santana*
adblock ativo

A partir do ano que vem, os estudantes do ensino médio das escolas públicas e privadas da Bahia terão de lidar com uma nova forma de ensino, o chamado Novo Ensino Médio, que, por aqui, já vem sendo implementado em forma de projeto-piloto pela Rede Sesi de Educação. Fruto de uma Medida Provisória (MP nº 746/2016), já no governo do ex-presidente Michel Temer, e posteriormente convertida em Lei, o Novo Ensino Médio passa a valer para todas as escolas do país a partir de 2022.

A Rede Sesi de Educação, que vem experimentando projeto-piloto, promoveu uma pesquisa que apontou aprovação à nova proposta de ensino entre os estudantes. Os dados da pesquisa, feita com 2 mil alunos do novo modelo e do currículo tradicional revela percepção sobre a escola e os desafios para o futuro, mostram que 61% dos alunos que estão cursando o Novo Ensino Médio avaliam positivamente o modelo.

Entre os motivos estão "facilitar o primeiro emprego devido à capacitação” e o currículo, que traz mais conhecimento e é compatível com área profissional desejada. Além disso, para 73% desses estudantes, o potencial do Novo Ensino Médio para melhorar a qualificação profissional do Brasil é grande ou muito grande. Aliás, os alunos do Novo Ensino Médio estão mais satisfeitos com a escola e otimistas com o futuro profissional, 77% dos alunos do novo ensino médio estão muito satisfeitos ou satisfeitos com a escola, e 78% estão muito otimistas e otimistas com futuro profissional.

Entre as mudanças abrangidas pelo Novo Ensino Médio estão a ampliação do tempo mínimo do estudante na escola de 800 horas para 1.000 horas anuais e definição de uma nova organização curricular, mais flexível, que contemple uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Além disso, os alunos terão que cumprir os chamados ‘itinerários formativos’, que podem começar a ser ofertados ainda em 2022, mas só serão obrigatórios a partir de 2023.

Estes ‘itinerários’ serão optativos, e escolhidos de acordo com a vontade do estudante.

Inscrições

Ao perceber o alto interesse dos jovens no novo modelo, o Sesi, que faz parte do sistema de ensino particular, abriu inscrições para 500 vagas gratuitas de educação básica para o Novo Ensino Médio em todas as escolas da rede no Estado, com edital disponível até 17 de novembro para Salvador e Feira de Santana.

Na Bahia, desde 2018, quando foi criada a primeira turma-piloto, O Sesi em parceria com o Senai vem experimentando a nova proposta de ensino. Essa primeira turma concluiu o ensino médio em dezembro de 2020 com resultados positivos e animadores para a Rede Sesi.

Segundo Cléssia Lobo, gerente-executiva de Educação e Cultura do SESI Bahia, a nova experiência educacional gera maior poder de escolha e independência aos alunos, ao passo que o ensino deixa de ser conteudista e tradicional.

“A gente percebeu que o novo Ensino Médio aproxima o estudante do entendimento e maior participação em seu processo educativo. Os estudantes ficam mais participantes e protagonistas do processo de aprendizado porque o currículo pede isso”, afirma.

“Nós temos feedbacks muito positivos vindos dos alunos. A gente também percebe impacto positivo não só na aderência dos estudantes, mas também na motivação e diminuição da evasão escolar. Uma preocupação que as pessoas têm é de perda de conteúdo e redução de currículo e o que a gente vem percebendo é que não existem evidências que comprovam esse medo”, continua Lobo.

Participante do projeto piloto do SesiI, Evelyn Borges Santana, estudante do 1º ano do Ensino Médio, escolheu o curso de Informática para a Internet como a formação técnico profissional que vai seguir durante o ano letivo. Para a jovem, com o novo modelo educacional, os estudantes já saem da escola preparados para enfrentar o mercado de trabalho.“O novo ensino médio abriu portas para novas oportunidades”, opina.

“A gente não sente cansaço, tanto nas aulas quanto na realização de trabalhos em grupo, a rotina não fica tão frenética”, declara Emerson Egnaldo Silva Santos, aluno do 1º ano do Ensino Médio, que vai começar o curso técnico voltado para a Automação Industrial no próximo ano letivo.

“Eu acredito muito nesse modelo por criar um Ensino Médio mais vocacionado. Com essa mudança, e a possibilidade de ter uma formação técnica e profissional, permite a criação de uma proximidade maior dos alunos com o mercado de trabalho. Muitos dos alunos que se formaram no ano passado já estão trabalhando ou seguiram para o Ensino Superior na mesma área do curso técnico, então o que a gente percebe é que esse modelo é muito efetivo”, conta Patrícia Evangelista, gerente de Educação Profissional do Senai Bahia.

*Sob supervisão da editora Regina Bochicchio

adblock ativo

Publicações relacionadas