adblock ativo

Comércio aposta no Dia dos avós

Publicado domingo, 08 de julho de 2018 às 10:00 h | Atualizado em 21/01/2021, 00:00 | Autor: Joyce de Sousa
Luiza conta que a Arte em Papel escolhe a cada ano uma frase
Luiza conta que a Arte em Papel escolhe a cada ano uma frase -
adblock ativo

“Avó é mãe duas vezes”. É o que diz o ditado popular. Comercialmente, entretanto, o Dia dos Avós, comemorado no dia 26 deste mês, fica bem longe, na prática, da metade do resultados obtidos com as vendas do Dia das Mães – considerado a segunda maior data do setor, ficando atrás apenas do Natal. Não por falta de carinho dos consumidores, que muitas vezes chega a ser mesmo o dobro com os avôs e avós, mas devido à falta de melhores estratégias de marketing que os desperte para a valorização e reconhecimento da data.

>>Homenagem aos vovôs acontece no Brasil e em Portugal

É o que consideram os lojistas do segmento de presentes que, ao contrário da maioria dos comerciantes, apostam na data comemorativa para aquecer as vendas neste mês. Para este segmento específico de lojas, o Dia dos Avós vem, historicamente, ganhando peso no calendário comercial, exigindo vitrine especial e até lançamento de campanha específica a cada ano.

É o caso da rede de lojas Arte em Papel, situada nos principais shoppings da capital baiana: a partir de amanhã, as vitrines das duas lojas do Salvador Shopping, na Avenida Tancredo Neves, já vão estampar a coleção 2018 do Dia dos Avós. “Cada ano, a gente escolhe uma frase que marca a série de produtos desenvolvidos especialmente para a data, dando opção de variedade a cada ano”, explica a gerente da loja do 2º piso do shopping, Luiza Teixeira.

Biso e bisa

“Como não há muita divulgação da data comemorativa, buscamos montar uma vitrine bem atraente logo no início do mês para ir lembrando os consumidores, além de oferecer um mix de produtos voltados para o público de senhores e senhoras”. E, pelo jeito, a estratégia tem dado certo: em relação aos demais dias do mês, a última semana de julho tem registrado aumento de até 25% nas vendas da loja, justamente por conta do Dia dos Avós, como informou Luiza. Segundo ela, o pijama temático é o mais vendido. “É nosso produto-chave para a data”, revela.

No Brotascenter, no bairro de Brotas, a proprietária da loja Eternize Presentes e Essências, Blice Bernardete Rocha, também aposta na data: “Vamos colocar um adesivo grande na vitrine, destacando o dia, imediatamente após o Dia do Amigo, comemorado pouco antes, no dia 20”, conta. Blice avalia que o Dia dos Avós vem crescendo comercialmente, “principalmente, depois que as escolas de ensino infantil passaram a incluir a data no calendário de eventos”, como frisa a lojista.

No comércio de presentes, o Dia dos Avós já é considerado a quinta data de vendas nas lojas de presentes, ficando atrás do Natal, dias das Mães, dos Pais e dos Namorados. Blice lembra que muitas avós e avôs também são presenteados no Dia das Mães e Dia dos Pais, inclusive pelos netos, assim como o Dia dos Avós acaba sendo extensivo aos bisavós. Por conta da relação sempre de muito carinho, a loja busca oferecer produtos que mexam com a emoção. Um dos mais vendidos é o porta-retrato temático para por a foto dos homenageados com os netos.

Alívio da Copa

O empresário Almir Miranda, que é dono da loja Viva Cor, no Shopping Itaigara, lançou a vitrine especial para o Dia dos Avós na última quinta-feira. “Tem que começar cedo, justamente para que os consumidores lembrem do dia especial”, recomenda. “Os últimos anos revelam que, aos poucos, a população já está se acostumando a presentear os avós em julho e cabe a nós estar sempre lembrando”, afirma. Independentemente da data, ele sempre dispõe de produtos voltados para os avós. “Não é ainda uma data muito forte para o comércio, mas não há dúvida de que ela vem, sim, se consolidando”.

O presidente do Sindicato dos Lojistas do Estado da Bahia (Sindilojas), Paulo Motta, espera que a data possa representar recuperação nas vendas das lojas do setor de presentes. “Assim como todo o comércio, esse segmento sofreu impacto negativo desde junho com a paralisação da economia em dias de jogos da Copa do Mundo e talvez esta data, no fim deste mês de julho, seja um sobrefôlego mais imediato” , acredita.

adblock ativo

Publicações relacionadas