Dominantes no Brasil, Palmeiras e Flamengo fazem final da Liberta no Uruguai

Publicado sábado, 27 de novembro de 2021 às 06:05 h | Atualizado em 26/11/2021, 22:29 | Autor: Rafael Teles

Nas últimas sete temporadas, Flamengo e Palmeiras quase sempre estiveram entre os melhores do futebol brasileiro. Eles protagonizaram disputas nos pontos corridos e até decidiram a Supercopa do Brasil no começo do ano, mas só agora vão, finalmente, ficar frente a frente na decisão mais importante do continente. Rubro-negros e alviverdes tentam o tricampeonato da Taça Libertadores, neste sábado, 27, no Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai. A bola começa a rolar às 17h (da Bahia).

Duas Libertadores, quatro Brasileiros, duas Copas do Brasil, duas Supercopas do Brasil e uma Recopa Sul-Americana. Tudo isso seria exibido em uma hipotética sala de troféus que reunisse as conquistas de Flamengo e Palmeiras nos últimos sete anos.

O Alviverde foi o primeiro a empilhar taças. Começou com uma Copa do Brasil em 2015, e no ano seguinte levou para casa também o Campeonato Brasileiro. O Brasileirão de 2016, por sinal, iniciou as histórias cruzadas dos adversários, rivais modernos. Eles se opuseram durante boa parte da competição, que terminou vencida pelos paulistas.

Em 2018, o roteiro se repetiu e mais uma vez o Palmeiras foi campeão brasileiro, depois de ser perseguido pelo Flamengo na reta final. A vingança rubro-negra veio a partir de 2019, ano em que o técnico português Jorge Jesus guiou os cariocas aos títulos da Libertadores e do Campeonato Brasileiro.

A temporada de 2020 começou com mais taças para o Rubro-Negro, vencedor da Supercopa do Brasil e da Recopa. Na reta final, no entanto, o Palmeiras reagiu. Também sob a batuta de um treinador português (Abel Ferreira), o Alviverde ficou com os títulos da Copa do Brasil e da Libertadores. Só sobrou o Brasileiro, que mais uma vez foi levado pela equipe sediada no Ninho do Urubu.

Confronto direto

As partidas disputadas entre Flamengo e Palmeiras nos últimos anos refletiram o cenário de conquistas. De 2015 e 2018 só deu Verdão. Foram oito partidas, com quatro vitórias alviverdes e quatro empates. Todas em compromissos do Campeonato Brasileiro.

Quando o Rubro-Negro tomou gosto pelas taças, mudou também o cenário do confronto direto. Já são nove partidas de invencibilidade diante do time paulista, com cinco vitórias e quatro empates no período. Quase sempre em jogos válidos pelo Brasileirão.

A exceção foi a final da Supercopa do Brasil deste ano, que terminou com empate no tempo normal e vitória do Flamengo nos pênaltis. Se aquela decisão servir de parâmetro, é possível esperar uma partida animada no Estádio Centenário.

Também em campo neutro, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, o Palmeiras saiu na frente com Raphael Veiga. O Flamengo empatou e virou com gols de Arrascaeta e Gabigol. Depois, Rony sofreu pênalti e Veiga balançou as redes mais uma vez. Na marca da cal, quem brilhou foi Diego Alves, com quatro defesas.

Todos os protagonistas daquela partida estarão em campo. E as mudanças nas duas escalações não devem ser muitas. O Rubro-Negro perdeu Gerson no meio de campo, mas ganhou David Luiz na zaga. Enquanto isso, Abel Ferreira não conta mais com o lateral esquerdo Viña. Por outro lado, vai ter Dudu para reforçar o ataque.

Palavras finais

Abel Ferreira vai comandar o Palmeiras na segunda final de Libertadores em menos de um ano. Campeão em janeiro, na sexta-feira ele confessou passar pela mesma sensação de “borboletas no estômago” antes da partida decisiva.

“Quantos não gostariam de estar no meu lugar, no lugar do Felipe Melo? O privilégio de estar neste templo... temos de desfrutar, impor nosso jogo”, comentou o treinador alviverde, em coletiva.

Do outro lado, as palavras de Renato Gaúcho seguiram a mesma linha de pensamento do adversário português.

“O sentimento é de um sonho realizado. Mais uma final de Libertadores. É para poucos treinadores . Estou tendo esse privilégio pelo Flamengo”, comentou o técnico do Fla.

Abel e Renato buscam o segundo título continental como técnicos. Abel venceu em 2019, e em 2017, com o Grêmio, deu Renato, que disputou ainda a final de 2009 com o Flu.

Publicações relacionadas