Bahia já registra o maior número de derrotas no 1º turno desde 2017

Publicado quarta-feira, 01 de setembro de 2021 às 06:04 h | Atualizado em 06/12/2021, 15:27 | Autor: Rafael Tiago Nunes

A crise no Esporte Clube Bahia na atual edição da Serie A do Campeonato Brasileiro é real. Os números da desastrosa campanha são assustadores. Recordes negativos já foram quebrados e outros estão prestes a ser derrubados em caso de um novo revés diante do Fortaleza, sábado, em Pituaçu, na última rodada do primeiro turno.

Falta apenas uma partida para encerrar a primeira metade do Brasileirão. Porém, mesmo assim, o Tricolor já registra marcas, no mínimo, preocupantes. Em 18 jogos, o time conseguiu ser vazado 30 vezes e já ultrapassou os 29 gols sofridos ao final do primeiro turno da competição de 2020, ano de sua pior campanha na Série A desde a volta à elite nacional, em 2017.

E uma curiosidade relacionada aos gols sofridos chama bastante atenção. De 2017 até o último Brasileiro, ou seja, nas últimas quatro edições – temporadas que contaram com a presença do Bahia – todos os times que acabaram o primeiro turno como os donos da pior defesa foram rebaixados ao final das 38 rodadas.

Em 2017, após 19 rodadas, o dono da pior defesa era o Atlético-GO, com 34. Foi rebaixado. No ano seguinte, 2018, foi a vez do Vitória, com 39. O destino foi o mesmo. Já em 2019, Goiás e Chapecoense foram vazados 32 vezes e ambos foram à Série B. Em 2020, foi a vez do Goiás. Levou 36 gols em 19 jogos e também caiu.

Mas os números da crise vão muito além do que apenas gols sofridos. O Tricolor está na 16ª colocação, com 18 pontos conquistados – mesma pontuação do América-MG, o primeiro dentro da zona de rebaixamento – além de estar há oito rodadas sem vencer, sendo um empate e sete derrotas, e de ter sofridos 17 gols e marcado apenas duas vezes em todo esse período sem triunfos.

Derrotas, recordes

O Bahia registrou na última segunda-feira, ao perder por 2 a 0 para o Fluminense, o seu maior número de derrotas em um primeiro turno de Série A de 2017 para cá. Com o revés no Rio de Janeiro, o time chegou a marca de 10 insucessos em 18 jogos e superou a sua pior marca até então, que eram as nove derrotas de 2020. E o recorde negativo pode ser ampliado caso tombe diante do Fortaleza, no sábado.

E não para por aí. Caso não saia com a vitória na 19ª rodada, o time registrará um novo recorde negativo. Como só tem cinco triunfos até aqui, o Tricolor precisa vencer para igualar as suas piores marcas ao final de um primeiro turno, registradas nos anos de 2017, 2018 e 2020, quando ganhou um total de seis partidas.

Se na defesa os números são assombrosos, o ataque não deixa a desejar no quesito ineficiência. Até o momento, o Esquadrão só balançou as redes 20 vezes, sendo apenas duas nas últimas oito rodadas. Para igualar as marcas de 2018 e 2019, serão necessários dois gols contra o Fortaleza. Caso contrário, mais uma nota vermelha no boletim tricolor.

Quem achou que a série de nove jogos sem vencer – da quarta até a 12ª rodada – seguida das oito partidas sem saber o gosto de comemorar a conquista de três pontos – da 22ª até a 29ª rodada – no último Brasileirão e a briga contra o rebaixamento até o final foram de tirar o sono, não imaginou que o início da competição em 2021 seria ainda pior.

Publicações relacionadas