"Se a gente pudesse, também vaiava", diz Douglas sobre revés em casa

Publicado terça-feira, 22 de outubro de 2019 às 19:15 h | Atualizado em 22/10/2019, 19:19 | Autor: Alex Torres* | Foto: Felipe Oliveira | EC Bahia

Após perder em casa de virada do Ceará, o time do Bahia deixou o campo debaixo de fortes vaias por parte de sua torcida. Isso porque o resultado negativo adiou, mais uma vez, a entrada do Esquadrão no G-6, grupo que dá acesso à Libertadores. Apesar do revés, o Tricolor se manteve na 8ª colocação, com 41 pontos, e segue na briga por uma vaga no torneio continental em 2020.

Em coletiva realizada na tarde desta terça, 22, o goleiro Douglas Friendrich avaliou o desempenho da equipe nos 90 minutos da partida e a reação dos quase de 30 mil torcedores que estiveram presentes no estádio de Pituaçu.

"Nossa convicção continua a mesma. Acredito que a gente não conseguiu resultado ontem diante das circunstâncias difíceis que se apresentaram, diante da qualidade e fundamento da bola parada do adversário. A gente segue convicto e sabendo que mais importante do que entrar na 28ª rodada é entrar na 38ª rodada. Mais do que o G-6, a gente acredita muito em nosso desempenho. Se ficar pensando que tem que entrar no G-6 sem desempenho, sem pontuação, isso não vai acontecer. A gente entende perfeitamente a vaia após o jogo. Se a gente pudesse, a gente também vaiava o resultado", analisou.

De acordo com Douglas, a equipe Tricolor tem sua parcela de culpa nas altas exigências da torcida durante o duelo. No entanto, o grupo está preparado para corresponder as expectativas à altura.

"A gente é culpado por esse bom momento. A gente que colocou o Bahia nessa posição e aumentou a expectativa de nossa torcida. A gente está preparado para continuar fazendo esse bom trabalho e mantendo as atuações. Se continuar vencendo, a gente vai estar ali próximo e, no momento certo, entrar no G-6. Vejo com naturalidade essa certa cobrança e impaciência da torcida", falou.

Apesar da derrota, Douglas teve participação fundamental no duelo com a equipe cearense. As defesas difíceis realizadas pelo arqueiro, durante os 90 minutos, evitaram um resultado ainda maior para o Vozão. Para ele, o objetivo é manter o bom desempenho, mas garantindo que as redes não sejam balançadas.

"Foi um pouco acima da média. Pelas estatísticas, eram de duas defesas por partida. Ontem foi um pouquinho mais. Acredito que por conta da característica e qualidade do adversário, principalmente nas bolas paradas. Infelizmente, a bola não rolava da forma que a gente esperava. Analisando individualmente, foi um jogo em que a gente acabou não conseguindo evitar todos os gols, mas na maioria das intervenções foi feliz. Seguir trabalhando para que consiga voltar a ter jogos sem sofrer gols e a vencer, que é importantíssimo", garantiu Douglas.

Para a sequência da competição, o comandante Roger Machado não poderá contar com uma peça fundamental para o confronto contra o Internacional, no sábado, 26, na Arena Fonte Nova. Punido pelo terceiro cartão amarelo, Élber não poderá ser relacionado para o duelo. Com isso, os atacantes Lucca e Arthur Caíke disputam a vaga.

"Confio muito no trabalho do Roger. É um dos melhores treinadores que já trabalhei pela sua lealdade, comprometimento com o grupo. Quem está entrando é por méritos. Não só da comissão, mas do grupo. A decisão que ele vier a tomar, vai ser a melhor. Não vejo com preocupação a saída do Élber, até porque ele entrou em uma saída do Lucca e desempenhou um excelente futebol e se tornou titular", finalizou o goleiro.

*Sob a supervisão do editor Nelson Luis

Publicações relacionadas