Desempenho contra o Inter, na estreia de Ramon, reacende esperança de acesso

Publicado sábado, 12 de junho de 2021 às 06:00 h | Atualizado em 19/11/2021, 12:15 | Autor: Rafael Teles

Queda na primeira fase do Campeonato Baiano, início ruim na Série B, cinco jogos sem triunfos e demissão de treinador. O Vitória parecia estar no olho do furacão quando um outro fenômeno da natureza aconteceu, dessa vez em favor do clube. A ‘Nordeste Storm’, ou Tempestade Nordestina, chegou na Copa do Brasil varrendo times de outros estados e classificando os times da região, entre eles o Rubro-Negro.

A dúvida que agora fica na cabeça dos torcedores é: o que aconteceu na estreia de Ramon Menezes como técnico do Leão é um sinal de que as coisas vão mudar ou foi apenas o time surfando na onda do recorde de representantes do Nordeste nas oitavas de final da Copa do Brasil? Bahia, Fortaleza, ABC, CRB e Juazeirense também conquistaram a vaga. Os três últimos com triunfos tão incríveis quanto o do Vitória.

Entre tantos torcedores rubro-negros, certamente existem muitos que olham para a classificação contra o Inter apenas como parte de um milagre coletivo. Mas há também quem veja no jogo do Beira-Rio uma mudança de chave que pode ser determinante para a campanha do time na Série B. Para esse grupo, a estreia de Ramon Menezes já apresentou alguns indícios do que pode ser visto nos próximos jogos.

O treinador estreante realmente mudou o time, inclusive na formação. O Vitória foi para campo com três zagueiros e conseguiu resistir aos avanços do Colorado no primeiro tempo. Aqui é importante também ressaltar que o Leão foi dominado nesses 45 minutos e muitas vezes salvo por Lucas Arcanjo, que teve atuação de destaque no Beira-Rio.

Mas também é certo dizer que, se o plano do Reizinho era sobreviver à primeira metade do jogo, ele conseguiu.

“A minha ideia era não tomar gols. Se não tomamos o gol, uma hora ou outra, com a agressividade e a transição muito rápida que essa equipe tem, faríamos o gol”, disse Ramon Menezes ao fim do jogo.

No segundo tempo, o técnico desfez o esquema e voltou para campo um pouco mais ofensivo. Quando passou a ficar com um jogador a mais, respondeu com uma nova dose de coragem: Dinei na vaga do volante Pablo, já aos 18 minutos do segundo tempo.

A demora para reagir às mudanças do jogo era algo criticado em Rodrigo Chagas por parte da torcida. Ramon se mostrou rápido no gatilho e foi recompensado por isso. Logo depois da mudança, veio o gol que incendiou a partida.

O técnico também se mostrou certeiro ao colocar em campo as peças que resolveram a classificação: Eduardo e Guilherme saíram do banco de reservas para fazer gols. Dinei não balançou as redes, mas foi responsável direto pela jogada que fez Samuel abrir o placar.

Só o tempo vai dizer se a partida contra o Inter deu ou não origem a um novo Vitória, mas já é certo afirmar que o feito alcançado no Beira-Rio foi um dos maiores protagonizados pelo Rubro-Negro nos últimos anos.

Série B

A próxima chance de mostrar que dias melhores estão no horizonte já é neste domingo, 13. Em busca do primeiro triunfo na Série B, o Vitória vai receber o Operário-PR, no Barradão. Com só um ponto somado nos dois primeiros jogos, o time começa a rodada na 14ª posição da tabela.

Dessa vez, Ramon Menezes vai ter dois dias para trabalhar com o grupo. Pode parecer pouco, mas já é o dobro do tempo que ele recebeu antes da estreia como técnico do Leão, na última quinta-feira.

O período com os jogadores vai ser usado para reforçar o que deu certo, e também corrigir erros que estiveram visíveis contra o Inter, como a bola área defensiva. Foi depois de uma cobrança de falta que os gaúchos chegaram ao gol com Jhonny, de cabeça. Os erros nesse tipo de jogada foram comuns durante a passagem de Rodrigo Chagas pela Toca.

Publicações relacionadas