Para evitar queda, Vitória precisa vencer e torcer por resultados improváveis

Publicado quarta-feira, 24 de novembro de 2021 às 06:05 h | Atualizado em 06/12/2021, 15:42 | Autor: Rafael Teles

Já são três anos de luta na parte inferior da tabela de classificação da Série B do Campeonato Brasileiro, mas o Vitória nunca esteve tão ameaçado pelo rebaixamento como agora. A última rodada da competição nacional chegou, e o Rubro-Negro ainda está no Z-4, algo que não tinha acontecido em 2019 e 2020. E aí, em meio a um cenário praticamente irreversível, a pergunta que fica no ar é: dá para acreditar?

>> Veja tabela de classificação e jogos da Série B

Internamente, a postura é de não entregar os pontos. E é esse discurso que o clube vai tentar passar para o torcedor nos dias que antecedem a última rodada da Série B, marcada para o próximo domingo. Na entrevista coletiva de Wagner Lopes após a derrota para o CRB, o treinador manteve a chama da esperança acesa.

“Enquanto tiver 1% de possibilidade, é acreditar”, disse Wagner Lopes. “Os outros adversários podem perder. A gente vai para o jogo em casa para vencer e ainda ter esperança, levantar a cabeça e trabalhar firme para buscar os 43 pontos e a permanência na Série B”, finalizou o técnico do Leão.

Como citado pelo treinador, vencer já não é mais suficiente para o Vitória. O time até chegou a depender apenas das próprias forças, mas deixou a independência escapar quando perdeu para o CRB na última segunda-feira.

Agora, além de ganhar o jogo contra o Vila Nova, o Rubro-Negro precisa também torcer para que o Remo perca do Confiança, e para que o Londrina não vença o Vasco. E, não bastasse depender de terceiros, o Leão ainda depende de terceiros que já não têm mais interesse no campeonato.

O Confiança, por exemplo, que visita o Remo no Baenão, já está rebaixado para a Terceira Divisão. Situação já definida também tem o Vasco, que não briga pelo acesso há algumas rodadas e vai cumprir tabela contra o Londrina, no Estádio do Café.

Enfrentar times que já não têm pelo que brigar no campeonato costuma ser uma vantagem significativa. O Vitória bem sabe disso. Recentemente, o Rubro-Negro tirou proveito da situação diante de Vasco e Cruzeiro. Foram dois triunfos por 3 a 0 que ajudaram a oxigenar a equipe na reta final da Segunda Divisão.

Os jogos de Vitória, Londrina e Remo acontecem às 16h (da Bahia) de domingo. Dos três clubes envolvidos na luta contra o rebaixamento, apenas um vai sobreviver.

Lembra aquele “1% de possibilidade” citado por Wagner Lopes? O número é até um pouco maior. O Departamento de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) calcula a chance de salvação do Vitória em 8,8%. Mas qualquer gol marcado por Remo ou Londrina vai fazer a porcentagem se aproximar do zero.

Enquanto o martelo não for batido, Wagner Lopes garante que o time vai continuar lutando dentro de campo para evitar a queda.

“A gente vai acreditar até o final”, afirmou o técnico. A minha obrigação é passar para o torcedor que a gente está trabalhando no limite. A gente está numa situação em que precisa torcer contra, mas precisa fazer a nossa parte. O nosso discurso é esse. Buscar vencer num jogo em casa e esperar que os resultados aconteçam”, concluiu Wagner Lopes.

Preparação

Na terça-feira, 23, o elenco retornou de Maceió e foi liberado no desembarque em Salvador. A reapresentação dos jogadores à Toca do Leão acontece na manhã desta quarta-feira, 24. Depois, serão mais três dias de trabalho até a partida decisiva contra o Vila Nova, domingo, no Barradão.

Para a última rodada, o técnico Wagner Lopes já sabe que não conta com João Pedro. O volante foi expulso nos minutos finais da derrota para o CRB, no Estádio Rei Pelé.

Na Justiça

O atacante Vico entrou com uma ação na Justiça do Trabalho para cobrar salários atrasados do Vitória. Ele também pediu uma rescisão de contrato com o clube, embora seu vínculo com o Rubro-Negro chegue ao fim já em dezembro.

Atualmente, Vico está afastado do elenco. Ele não treina com o grupo principal desde o início de outubro.

Publicações relacionadas