adblock ativo

Delegação baiana nos Jogos do Rio deve ter sete paratletas

Publicado domingo, 14 de fevereiro de 2016 às 21:17 h | Atualizado em 14/02/2016, 19:52 | Autor: Juliana Lisboa
Ouro em 2008 e 2012, Jefinho é esperança de medalha no futebol de 5
Ouro em 2008 e 2012, Jefinho é esperança de medalha no futebol de 5 -
adblock ativo

Com uma delegação de, pelo menos, sete atletas - os nomes não estão confirmados, e outros ainda podem aparecer até julho - a Bahia pode ajudar o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) a chegar aos 14 ouros pretendidos e figurar entre os cinco melhores países na Rio-2016.

A Bahia deve ser representada em quatro modalidades: atletismo, com  Raissa Machado e Tascitha  Cruz; futebol de cinco, com Cassio Lopes dos Reis e Jeferson da Conceição Gonçalves, o Jefinho; natação, com Verônica Mauadie e Ronaldo Souza; e remo, com Renê Campos.

Se a pré-lista 'vingar', o estado vai contar com três medalhistas olímpicos. Verônica Mauadie foi bronze em Pequim-2008 nos  50 m borboleta (classe S7). Cássio Lopes foi campeão em Londres-2012 pelo futebol de 5, e seu colega de equipe, Jefinho, foi bicampeão em Pequim-2008 e em Londres-2012.

Já Renê Campos, Raíssa Machado e Tascitha participarão de uma Olimpíada pela primeira vez. Ronaldo Souza, por sua vez, disputou os Jogos de Londres, em 2012.

Mais ouro

Destaque da seleção brasileira de futebol de 5, Jefinho contou que a equipe já está em fase de preparação e aclimatação no Rio de Janeiro, e que a expectativa para trazer uma medalha de ouro jogando em casa é maior para a própria equipe do que a torcida.

"Nossa expectativa é a melhor possível, pois é uma competição em casa. Já tive o prazer de jogar nos Jogos Para-Panamericanos, em 2007, também no Rio, mas a Paralimpíada é bem maior", disse o bicampeão. "Não considero o favoritismo uma pressão porque já estamos acostumados com isso. A seleção é experiente e isso ajuda em casa".

Para o atleta, o fato de a torcida esperar medalha de ouro e a própria imprensa tratar a equipe como favorita ao ouro pode ser algo benéfico. "O favoritismo não atrapalha. Ele nos ajuda, nos mantém focados. Estamos ganhando muitos campeonatos e é normal que a torcida dê a medalha de ouro como certa", ponderou.

De acordo com a assessoria de imprensa do CPB, as convocações para natação, atletismo e remo só deverão acontecer depois de terminadas as disputas pré-olímpicas, e por isso a confirmação dos nomes só sairá após a realização de todas as competições pré-olímpicas, que terminam às vésperas dos Jogos.

O número total de paratletas da delegação ainda não foi divulgado, mas o CPB espera chegar a 300 - muito mais do que o  recorde de  Londres-2012, quando foram levados 189 esportistas. Para Jefinho, os baianos devem garantir mais medalhas do que nas últimas edições.

"A delegação baiana cresceu muito em quantidade e qualidade. Começamos com três medalhas na Paralimpíada na China, em 2008,  e esperamos um número maior no Rio-2016", diz. Em Londres-2012, apenas Cássio e Jefinho ganharam medalha.

adblock ativo

Publicações relacionadas