Uefa rejeita iluminação com as cores do arco-íris em estádio de Munique para Eurocopa

Publicado terça-feira, 22 de junho de 2021 às 07:52 h | Atualizado em 19/11/2021, 12:18 | Autor: AFP

A Uefa rejeitou nesta terça-feira, 22, a ideia da cidade de Munique de iluminar seu estádio com as cores do arco-íris da comunidade LGBT para a partida entre Alemanha e Hungria, em sinal de protesto contra uma lei aprovada na Hungria.

"De acordo com seus estatutos, a Uefa é uma organização politicamente e religiosamente neutra", afirma a confederação europeia em um comunicado. "Dado o contexto político do pedido - uma mensagem sobre uma decisão adotada pelo Parlamento nacional húngaro -, a Uefa deve rejeitar o pedido", completa a nota.

A entidade europeia, que afirma "compreender que a intenção é enviar uma mensagem para promover a diversidade e a inclusão", aceita, no entanto, a ideia e propõe datas alternativas para a iluminação do estádio com as cores do arco-íris: "Pode ser em 28 de junho - o Christopher Street Liberation Day (dia do Orgulho) -, pode acontecer entre 3 e 9 de julho, que corresponde à semana do Christopher Street Day em Munique", afirma a Uefa em seu comunicado.

Organizadora da Eurocopa, a Uefa recorda que há muitos anos faz campanhas a favor da diversidade e da igualdade no futebol.

"O racismo, a homofobia, o sexismo e todas as formas de discriminação são uma mancha em nossas sociedades, e representam um dos maiores problemas do esporte na atualidade. Comportamentos discriminatórios prejudicam as partidas, e fora dos estádios, o discurso na internet a respeito do esporte que amamos", afirmou a entidade.

Na segunda-feira, a Federação Alemã de Futebol anunciou que concordava com a iluminação do estádio de Munique com as cores do arco-íris durante a Eurocopa, mas não necessariamente no dia da partida contra a Hungria.

A ideia partiu da prefeitura de Munique, para enviar um "sinal visível de solidariedade com a comunidade LGBT da Hungria".

Munique se uniu desta maneira às vozes que, na Europa, condenam a política do primeiro-ministro húngaro Viktor Orban, considerada discriminatória contra as minorias sexuais.

Além disso, a Federação Alemã confirmou na segunda-feira que a Uefa autorizou o capitão Manuel Neuer a usar uma braçadeira em homenagem ao movimento LGBT.

A entidade europeia informou que não tinha razão para punir a Alemanha "considerando que o gesto promove uma boa causa".

Neuer usa a braçadeira arco-íris "em sinal de adesão de toda a Mannschaft aos valores da diversidade, abertura, tolerância, contra o ódio e as discriminações", afirmou o porta-voz da seleção da Alemanha.

Publicações relacionadas