Menu
Pesquisa
Pesquisa
Busca interna do iBahia
HOME > GUERRA EM ISRAEL
Ouvir Compartilhar no Whatsapp Compartilhar no Facebook Compartilhar no X Compartilhar no Email
23/10/2023 às 20:56 - há XX semanas | Autor: AFP

ORIENTE MÉDIO

Hamas anuncia libertação de mais duas reféns

Três dias antes tinham sido libertadas duas americanas

Bombardeio israelense sobre a Faixa de Gaza, em 23 de outubro de 2023
Bombardeio israelense sobre a Faixa de Gaza, em 23 de outubro de 2023 -

O movimento islamista palestino Hamas anunciou nesta segunda-feira (23) que libertou duas mulheres sequestradas durante seu ataque em território israelense no último dia 7, que estavam retidas na Faixa de Gaza, território sob seu controle.

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, identificou as libertadas como Yocheved Lifschitz, de 85 anos, e Nourit Kuper, de 79, ambas de nacionalidade israelense e originárias do kibutz Nir Oz, onde foram sequestradas juntamente com os maridos, que ainda são mantidos reféns.

"Depois de terem sido devolvidas às forças israelenses, dirigem-se atualmente para um centro médico em Israel especialmente preparado para acolhê-las", afirmou, em um comunicado, o gabinete de Netanyahu, que agradeceu ao Egito e à Cruz Vermelha por sua contribuição para a libertação.

"Embora me faltem palavras para expressar meu alívio por saber que estão a salvo, continuo concentrada na libertação do meu pai e das 200 pessoas inocentes, ainda retidas em Gaza", disse, em nota, a filha de Yocheved, Sharone Lifschitz, de nacionalidade britânica.

O porta-voz do braço militar do Hamas, Abu Obeida, afirmou que as duas reféns foram libertadas "por razões humanitárias urgentes", graças à mediação do Catar e do Egito. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) informou que facilitou a libertação das reféns.

Três dias antes, tinham sido libertadas duas americanas, Judith Raanan e sua filha, Natalie.

Imagens exibidas pela emissora egípcia mostram as duas novas libertadas em ambulâncias, assim que chegaram à passagem de Rafah, no sul da Faixa de Gaza.

Em um vídeo difundido pelo braço militar do Hamas, as duas mulheres aparecem acompanhadas de membros do movimento, encapuzados e armados, servindo-lhes comida e bebida antes de entregá-las ao pessoal da Cruz Vermelha.

O movimento islamista acusou Israel de ter violado "em oito ocasiões os acordos sobre a operação de libertação que haviam sido fechados com os mediadores para que a mesma ocorresse com sucesso".

Segundo autoridades israelenses, mais de 220 cidadãos de Israel, estrangeiros e com dupla nacionalidade foram levados à força para o território palestino por combatentes do Hamas durante o ataque de 7 de outubro, que desencadeou uma guerra na qual Israel tem bombardeado incessantemente a Faixa de Gaza para "aniquilar" o movimento islamista.

Na noite desta segunda, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, exigiu a libertação de todos os reféns do Hamas para poder discutir um cessar-fogo entre Israel e o grupo islamista.

Segundo Israel, cerca de 1.400 pessoas morreram nos ataques do Hamas, a maioria civis e no primeiro dia. O movimento palestino estima em mais de 5.000 os mortos nos bombardeios a Gaza.

Assuntos relacionados

Conflito israelense-palestino Guerra Hamas

Compartilhe essa notícia com seus amigos

Compartilhar no Email Compartilhar no X Compartilhar no Facebook Compartilhar no Whatsapp

Tags:

Conflito israelense-palestino Guerra Hamas

Repórter cidadão

Contribua para o portal com vídeos, áudios e textos sobre o que está acontecendo em seu bairro

ACESSAR

Assuntos relacionados

Conflito israelense-palestino Guerra Hamas

Publicações Relacionadas

A tarde play
Bombardeio israelense sobre a Faixa de Gaza, em 23 de outubro de 2023
Play

500 pessoas morreram em ataque contra hospital em Gaza

x

Assine nossa newsletter e receba conteúdos especiais sobre a Bahia

Selecione abaixo temas de sua preferência e receba notificações personalizadas

BAHIA BBB 2024 CULTURA ECONOMIA ENTRETENIMENTO ESPORTES MUNICÍPIOS MÚSICA POLÍTICA