adblock ativo

Chegada da primavera incentiva cultivo de jardim

Publicado às | Atualizado em 08/10/2021, 19:58 | Autor: Nalbert Antonino*
Lara explica que é hora de adubar para planta florir | Fotos: Raphael Muller | Ag. A TARDE
Lara explica que é hora de adubar para planta florir | Fotos: Raphael Muller | Ag. A TARDE -
adblock ativo

Com a chegada da primavera, um novo ciclo na vida das plantas se inicia, exigindo um cuidado delicado e especial através de podas, mais luz e renovação da matéria orgânica. Neste ano, entretanto, a mudança de estação não será um marco apenas para as plantas: a primavera de 2021 se destaca pela mudança no comportamento de consumo dos brasileiros, cada vez mais preocupados com o bem-estar; e a relação mais próxima com a jardinagem vem se mostrando grande aliada nisso.

Apesar da perenidade do clima tropical, é equivocado pensar que os jardins na Bahia não são influenciados pelas mudanças nas estações. Assim como os animais, os vegetais são seres-vivos, conectados a um ecossistema altamente complexo – com diversas variáveis relacionadas a incidência de luz, temperatura, adubação etc. – e que sofrem mudanças cotidianas. Adaptando-se à sazonalidade, as plantas estão continuamente se reparando e se transformando para garantir o funcionamento do seu sistema, seja economizando energia ou até demandando mais nutrientes.

Assim, a mudança das estações exerce uma influência fundamental para a vida dos jardins, que se renovam a cada ciclo. No inverno, por exemplo, as plantas entram no estágio de resguardo para poupar suas energias, já que a estação fria oferece menos condições para seu desenvolvimento. Com a chegada da primavera, elas retomam a vitalidade, pois as condições climáticas são mais favoráveis ao seu metabolismo.

Por conta disso, para a profissional de jardinagem Lara Macedo, da EcoJardim Salvador, é importante garantir que as plantas recebam uma atenção especial durante esse período: “Com a chegada da primavera, vamos fazer tudo que não fizemos no inverno. Limpar, remexer o solo para que se misture um pouco o que está em cima com o que está embaixo, dar uma arejada para que a planta respire mais e melhor. Também é hora de adubar, porque as plantas vão precisar de toda energia para florir, ficarem mais bonitas e vistosas. A impressão que temos é de que a planta cresce mais rápido na primavera, e na verdade é um pouco isso mesmo: elas estão a todo vapor, como se acelerasse a dinâmica delas”, explica.

Mesmo com o curto limiar entre uma estação e outra aqui no Brasil, o inverno tropical ainda pode danificar as plantas residenciais e os grandes jardins. Pouca luz, alta umidade e acúmulo de água nas plantas formam uma combinação perigosa para a saúde da vegetação. Com a saída do inverno, a primavera oferece clima ameno e maior luminosidade, para uma boa manutenção nos jardins, a transição deve ocorrer de maneira gradual e continuada.

No caso dos jardins abertos, por exemplo, não é recomendado que haja uma poda total dos gramados, que costumam ficar maiores no inverno. Como a grama não fica exposta a tanta luz no período, passar a máquina zero certamente queimará a planta; sendo assim, o melhor é fazer é ir cortando-a aos poucos.

No caso das árvores e das frutíferas, o ideal é que, logo no início da estação, haja uma poda para possibilitar maior recepção da luz do sol – que ainda não está tão abafado como no verão –, e assim, elas poderão se desenvolver com mais vitalidade durante toda a estação. Já as plantas residenciais devem ficar em locais bem ventilados e iluminados: a quentura, especialmente quando repentina, é bastante prejudicial. Portanto, a saída é manter as cortinas abertas e também as janelas, pelo menos um pouco, especialmente ao sair de casa por um dia inteiro.

Sendo seres-vivos, as plantas exigem acompanhamento atento e compreensão acerca de suas especificidades. A procura por empresas profissionalizadas de jardinagem vem crescendo cada vez mais, conquistando clientes que não têm aproximação ou conhecimento aprofundado mas estão dispostos a aprender. De acordo com Lara Macedo, houve uma valorização da profissão durante a pandemia, o que reaqueceu o mercado e foi um estímulo para os especialistas ampliarem as perspectivas e técnicas de trabalho.

Isolamento social

A mudança no comportamento dos consumidores após o período de isolamento social é um dos grandes destaques. No contexto da pandemia, a preocupação com o ambiente doméstico e a saúde mental trouxe a jardinagem como uma alternativa de atividade recreativa mais saudável, por proporcionar uma relação muito particular com a planta: é preciso cuidar dela todos os dias para que se desenvolva; o momento do cuidado geralmente é afastado dos aparelhos eletrônicos – que têm invadido o cotidiano mais que nunca; e também costuma ser um momento a sós do dono com a planta. Essa rotina resulta num vínculo estreito com aquele ser pelo qual se torna responsável, e para os adeptos da prática, vê-lo crescer saudável vem como uma missão no dia-a-dia.

Além disso, o afastamento das ruas e o confinamento, sobretudo nos apartamentos, gerou uma latente necessidade de reaproximação com a natureza. Este é o caso de Paloma Pepe, que sempre gostou de ter uma conexão com natureza, mas não costumava ter isso como uma questão no seu cotidiano. Entretanto, sua mentalidade mudou com o isolamento, e ela decidiu implantar um jardim vertical na sua varanda.

Paloma destaca os benefícios que essa adesão teve para sua saúde e seu bem-estar. O jardim – elemento mais comum em ambientes abertos como casas ou praças – é adaptado às condições de um apartamento, contando, por exemplo, com tecnologia autoirrigável, o que torna a jardinagem ainda mais prática no seu dia-a-dia. Pepe chama a atenção, ainda, para a relação íntima que ela desenvolveu com seu jardim vertical, o que a motiva a aprofundar cada vez mais o conhecimento sobre o cultivo de plantas.

*Sob supervisão da editora Cassandra Barteló

adblock ativo

Publicações relacionadas