Influenciadores abrem suas casas para os seguidores na pandemia

Publicado sábado, 12 de junho de 2021 às 06:00 h | Atualizado em 12/06/2021, 00:07 | Autor: Sarah Cardoso*

Com a pandemia e o confinamento em casa, uma nova categoria de influenciadores digitais tem se destacado, e o engajamento segue crescendo. Os home influencers, também conhecidos como “apartamentos influenciadores”, dividem com seus seguidores dicas práticas para aplicar em casa e, assim, se aproximam mais da rotina do público.

Com uma abordagem mais familiar e acolhedora, os home influencers abrem as portas de casa para os seguidores. Os conteúdos envolvem desde dicas de decoração e mesa posta a receitas, temperos especiais para o churrasco, cuidados com as plantas e até eletrodomésticos que podem tornar a limpeza menos trabalhosa.

O conteúdo é transmitido de forma simples, com informações acessíveis aos seguidores. Quanto custa, onde comprar e como usar, tudo está presente nas publicações. Assim, o público pode se inspirar e trazer as dicas para dentro da própria casa.

Para o professor Antônio Netto, especialista em comunicação e marketing em mídias digitais, ocorre uma transição entre o perfil de influenciadores, que deixaram de ser inalcançáveis e estão cada vez mais próximos do público.

“Antes, quando a gente falava de influência, na era tradicional, era uma coisa quase impecável, intocável, era a gente olhar a mocinha da novela, querer se inspirar, mas não ser aquilo. Hoje o influenciador digital traz um conceito muito diferente, que são pessoas comuns. As pessoas se veem ou se inspiram nesses influenciadores digitais que seguem. Então, quando veem alguém comum comprando o seu apartamento, reformando ou decorando, elas se inspiram muito nisso. É essa sensação que essa nova frente desses influenciadores digitais trazem, a proximidade de levar a acreditar, de inspirar, de que aquela pessoa pode ser eu”, afirma o professor.

Relação com o público

Vanessa Souza (@nossoapt), Chelle Almeida (@nossoape601) e Rana Guerreiro (@ape.oitozeroum) têm muitas coisas em comum. As três começaram a produzir conteúdo despretensiosamente a partir de uma reforma em casa. A página no Instagram era uma forma de salvar inspirações, dividir o dia a dia da reforma e também partilhar dicas e aprendizados.

Elas não poderiam imaginar que, hoje, estariam se conectando com tantas pessoas. A partir das dicas para a casa, as influenciadoras passaram também a dividir suas rotinas com os seguidores. Sempre buscando se aproximar de cada um, elas estabelecem uma relação de troca diária com quem acompanha as redes. “Respondo todos os directs. Tenho essa relação de proximidade, para tentar criar mesmo a sensação de comunidade, para ser o mais acessível possível”, destaca Chelle.

A partir da conta do Instagram, Rana desenvolveu até amizades com as seguidoras. “A relação é superdireta, é uma troca constante de informação entre a gente. Muitas viraram amigas assim, porque estão lá todos os dias assistindo, comentando, conversando comigo”.

Para Vanessa, é importante estabelecer uma postura acessível para se conectar com as pessoas nas redes. “Acho que elas veem como algo acessível, que elas conseguem tirar dúvidas, conseguem falar comigo e eu vou responder. Não adianta ter um perfil para ajudar pessoas se eu não interajo com elas. Então essa comunicação é muito importante e também acho que faz elas confiarem nas minhas indicações e verem que o que eu faço é de verdade, é possível”.

Tempo de crescimento

Durante a pandemia, as influenciadoras viram o número de seguidores crescer e o engajamento também aumentou. Até março de 2020, a conta do Instagram @nossoape601, de Chelle Almeida, tinha 116 mil seguidores. Um ano depois, já atingiu 186 mil. Ela atribui o crescimento à ferramenta Reels, de vídeos curtos da plataforma, que aumentou o engajamento em sua conta, e à mudança na rotina doméstica dos seguidores.

“Muitas pessoas passaram a acompanhar mais ou porque estavam em casa ou porque tinha gente que já tinha aquele hábito de comer na rua todos os dias e vinham em busca de receita ou porque tinham uma diarista e no momento não podiam estar com outra pessoa dentro de casa. Hoje eu percebo que tem muito mais pessoas interessadas em receita, que nessa pandemia passaram a precisar cuidar da sua própria casa e não terceirizar essa atividade”, destaca a influenciadora.

Nesse mesmo período, a conta @nossoapt, de Vanessa Souza, chegou a dobrar o número de seguidores, atualmente com 145 mil. “Acho que as pessoas enxergaram a gente como uma válvula de escape, uma forma de ter companhia e, a partir dessa companhia, elas começaram a querer também olhar para si, olhar para sua casa e olhar para sua família. É bem bacana porque a gente sabe que está ajudando as pessoas, inclusive elas agradecem muito, tem esse feedback. É importante ter essa válvula de escape para eles e acaba sendo pra gente também. No meio de tanto estresse, de tanta ansiedade, conseguir ajudar alguém e se sentir bem com isso”.

Na conta de Rana, @ape.oitozeroum, o conteúdo que tem gerado mais engajamento é a categoria “DIY, Do It Yourself (faça você mesmo”). Ela cria tutoriais ensinando a fazer decorações, combinações com quadros e até pinturas e manutenção da casa. Todo o processo é registrado e compartilhado na rede com os seguidores, que tiram dúvidas com ela e replicam as dicas em casa.

Para o professor Antônio Netto, o crescimento expressivo desse perfil de influenciadores está relacionado também ao momento de pandemia, que impõe mais tempo dentro de casa. Cansadas do mesmo espaço, as pessoas começam a reparar pequenos detalhes e procurar formas de renovar aquele ambiente.

“São dois movimentos: tanto o fato de estarmos muito tempo dentro de casa e nos desgastarmos daquela decoração, daquele ambiente, como o fato de as pessoas também estarem produzindo e consumindo mais os meios digitais. Isso aí é a grande faísca que potencializa essa nova frente desses influenciadores”.

*Sob supervisão da editora Cassandra Barteló

Publicações relacionadas