Aviões militares da China invadem zona de defesa aérea de Taiwan

Exército informou que está em alerta máximo

Publicado quarta-feira, 03 de agosto de 2022 às 16:08 h | Atualizado em 03/08/2022, 17:09 | Autor: Da Redação
Manobras militares foram anunciadas pela China após a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, desembarcar em Taipei
Manobras militares foram anunciadas pela China após a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, desembarcar em Taipei -

O Ministério da Defesa de Taiwan informou nesta quarta-feira, 3, que os aviões militares enviados pela China invadiram a Zona de Identificação de Defesa Aérea.

Em comunicado, o Exército de Libertação Popular (ELP) afirmou que "está em alerta máximo" e tomará uma série de operações militares em resposta decisiva "para salvaguardar a soberania e a integridade territorial da China e para frustrar (...) a interferência de forças externas e os esquemas separatistas pela 'independência de Taiwan'".

As manobras militares foram anunciadas pela China após a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, desembarcar em Taipei, Taiwan.

O porta-voz do Comando do Teatro Oriental, Shi Y, informou que os exercícios visavam "chocar e impedir a grande escalada das recentes ações negativas dos Estados Unidos sobre a questão de Taiwan e um sério aviso às forças de independência de Taiwan".

O Ministério das Relações Exteriores da China informou que os exercícios militares em Taiwan não impactariam a liberdade ou navegação.

Nesta quarta-feira, 3, Pelosi deixou Taiwan. Ela se encontrou com o presidente da ilha e garantiu que os EUA não os abandonariam. Após a visita de Pelosi, o Partido Comunista da China (PCC) informou que deixará de exportar areia natural para o país vizinho e proibiu a entrada de executivos de quatro empresas taiwanesas.

O PCC já anunciou que vai impor ainda mais restrições à ilha, além das ações militares, que devem ser intensificadas.

Publicações relacionadas